2º Trim. 2013 – Lição 13 – Eu e minha casa serviremos ao Senhor I

0

Escrito por  Caramuru Afonso Francisco

    2º Trim. 2013 - Lição 13 - Eu e minha casa serviremos ao Senhor I PORTAL ESCOLA DOMINICALSEGUNDO TRIMESTRE DE 2013A FAMÍLIA CRISTÃ NO SÉCULO XXI: 
    Protegendo seu lar dos ataques do inimigo
    COMENTARISTA: ELINALDO RENOVATO DE LIMA

    COMENTÁRIOS – EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
    ASSEMBLEIA DE DEUS – MINISTÉRIO DO BELÉM – SEDE – SÃO PAULO/SP                                                                                                        
     LIÇÃO Nº 13 – EU E MINHA CASA SERVIREMOS AO SENHOR
    No relacionamento com a sociedade, a família deve ser um altar ao Senhor. 
    INTRODUÇÃO
    – No término deste trimestre, estudaremos como deve ser o relacionamento da família com a sociedade. 
    – No relacionamento com a sociedade, a família deve ser um altar ao Senhor.
     I – O RELACIONAMENTO DA FAMÍLIA COM A SOCIEDADE NO PERÍODO ANTEDILUVIANO 
    – Chegamos ao final do estudo deste trimestre, que esperamos tenha sido profícuo, a fim de que melhoremos a nossa vida familiar e, por conseguinte, a nossa própria vida espiritual. 
    – Finalizando este tão importante estudo, analisaremos como deve ser o relacionamento da família com a sociedade como um todo. Sendo a base da sociedade, a família precisa se relacionar com o todo social de tal maneira que não perca suas características, como também não deixe de ser o que sempre deve ser, ou seja, o ambiente propício e adequado para a comunhão com Deus e o cumprimento de Seu propósito para a humanidade. 
    – Temos visto ao longo do trimestre que a família foi criada por Deus para ser o ambiente propício e adequado para que o homem entre em comunhão com o Senhor, como também realize o propósito estabelecido por Deus quando da criação do ser humano. 
    – Com a entrada do pecado no mundo, esta circunstância tornou-se extremamente prejudicada, mas, com a salvação em Cristo Jesus, é, sim, retornarmos ao princípio estatuído por Deus à família e, deste modo, criarmos condições para que nossas famílias sejam ambientes em que se adore a Deus, verdadeiros “lares”, verdadeiros altares ao Senhor, fato que fará com que toda a sociedade seja atingida pelo Evangelho, já que a sociedade é formada de famílias. 
    – Neste ponto, logo vemos que a família não pode, em absoluto, ficar subordinada à sociedade, deve, sim, manter a sua autonomia e independência, que, aliás, conforme já visto ao longo do trimestre, é uma das características do modelo familiar tal como criado pelo Senhor. 
    – Logo no limiar da história da humanidade, vemos dois modelos bem distintos de organização social, que bem demonstram isto. Enquanto Caim deu preferência à “cidade”, ou seja, à “sociedade”, menosprezando o aspecto familiar (Gn.4:16,17); Sete, assim que teve o seu filho, deu preferência à “família”, passando a invocar o nome do Senhor quando teve o seu primogênito Enos (Gn.4:26).

    Deixe uma resposta! Seu comentário é relevante!