Aula 12 – A FAMILIA E A IGREJA

0
Texto Básico: Romanos 16:1-5,7,10,11,13,15,24 

“Alegrei-me quando me disseram: vamos à Casa do Senhor” (Sl 123:1)

INTRODUÇÃO

A Família e a Igreja são duas instituições profundamente interligadas. São dois projetos de Deus e que continuam sob sua proteção e que são objetos do seu amor.


A Igreja é uma instituição que, embora planejada por Deus desde antes da fundação do mundo, somente foi criada e estabelecida nesta nossa atual dispensação, a dispensação da graça (Ef 3:1-11). Ela foi a primeira organização social constituída, existiu antes da escola, antes do próprio Estado, e pode subsistir independentemente de qualquer outra instituição social.


A Família, do ponto de vista sociológico, é considerada como uma unidade básica e universal. Básica porque dela depende a sociedade; universal, porque ela se encontra em todas as sociedades humanas, de uma forma ou de outra.


Por mais que Satanás e seus agentes, humanos e espirituais, se empenhem em destruir essas duas instituições, elas são indestrutíveis.


I. FAMILIA: O ELEMENTO BÁSICO DA IGREJA


A igreja Local é formada pela soma de suas famílias. A igreja é o reflexo das famílias. Famílias bem estruturadas formam igrejas bem estruturadas. Isto é verdade, e Satanás sabe disto! Por esta razão, de forma mais acentuada nestes “últimos dias”, ele tem investido, pesadamente, contra a estrutura familiar, de forma especial, através da televisão, usando, principalmente, suas novelas. Desmoralizando o casamento, incentivando as uniões ilícitas, enaltecendo a liberdade sexual, quebrando a hierarquia familiar, retirando ou coibindo a autoridade dos pais, o objetivo de Satanás é enfraquecer, desmoralizar, acabar com a estrutura familiar. Porém, seu alvo principal é a Igreja. Ele sabe que combatendo a família, está prejudicando a Igreja.


1. Sem a família a Igreja não funciona. Família e igreja são instituições que não se confundem, que não podem ser absorvidas uma pela outra, mas que se interdependem, isto é, que devem existir ao mesmo tempo, cooperando uma com a outra. Assim ocorreu no ministério de Jesus Cristo e na igreja primitiva, assim deve ocorrer entre nós.


A família pré-existe à igreja como instituição. Deste modo, toda e qualquer igreja local será constituída de famílias, famílias que, nem sempre, estarão totalmente integradas na igreja local, já que, em mais uma demonstração de que família e igreja não se confundem, Jesus, de modo realista, afirmou que, por causa do Evangelho, haverá, em alguns lares, dissensão, pois a salvação é individual e, embora seja objetivo e propósito do Senhor a salvação de todos os integrantes do grupo familiar, isto, às vezes, não acontecerá (Mt 10:34-36). De qualquer forma, a igreja sempre será constituída de famílias e deverá levar em consideração esta estrutura familiar o seu dia-a-dia, no cumprimento da sua missão.


Sendo pré-existente à igreja e não se desfazendo como grupo social, mesmo quando totalmente integrada à igreja, a família exerce um papel primordial para a vida da igreja local. É impossível que surja alguma igreja sem família, daí porque ser fundamental que a família colabore e coopere para a igreja, inclusive porque, sem a família, a igreja simplesmente não existirá.


2. A família como extensão da Igreja. Podemos dizer que o lar deve ser uma extensão da igreja, e a igreja, uma extensão do lar. A família de Deus deve viver e conviver no ambiente do lar, de tal forma que a presença de Deus possa ser sentida, no seu seio, não apenas quando seus membros reúnem-se na igreja local. Quando uma família serve a Deus, e os pais cultivam o saudável costume de realizar o culto doméstico, os filhos valorizam o lugar onde se adora ao Senhor coletivamente.


Para que a família seja uma extensão da igreja local, é da maior importância que nela haja um ambiente espiritual, que valorize a adoração a Deus. Se adolescentes e jovens, além de viverem conectados a internet, passam horas diante da televisão secular, assistindo novelas e outros programas alienantes, será muito difícil alcançar esse objetivo de ver a família integrada na igreja. A solução para possibilitar essa integração família-igreja e vice-versa é a realização do culto doméstico. O saudoso pastor Estevam Ângelo, descrevendo a respeito do culto domestico, disse certa feita: “Se a família quiser assistir a sete cultos a mais por semana, fazendo o culto domestico, terá uma igreja em casa”. Alguém duvida disso?


Hoje, conquanto existam grandes e até suntuosos templos, o ideal seria que cada família cristãcontinuasse sendo uma igreja, em miniatura; que cada Lar cristão fosse um “braço”, ou uma extensão de sua igreja.


II. A IGREJA ACOLHENDO AS FAMILIAS


A igreja local é formada por famílias. Se a igreja é formada por famílias, é certo que a igreja fortalece os relacionamentos familiares e a comunhão entre irmãos congregados. Na igreja a família aprende a ter comunhão com outras pessoas e famílias. A igreja fortalece a família, a qual sendo bem estruturada espiritualmente fortifica a igreja, que tende a crescer quantitativa e qualitativamente. Estou de acordo com o que o pr. Elinaldo Renovato diz: “A maior parte das famílias, no mundo atual, está desorientada, sem rumo e sem segurança, em direção à eternidade; o espírito do anticristo trabalha diuturnamente para destruir a instituição familiar. A Igreja do Senhor Jesus Cristo é a única entidade, no mundo, que se preocupa com o futuro espiritual da família. É no ambiente da igreja local, que a comunidade em sua volta pode descobrir que existe uma proposta relevante para o fortalecimento do casamento, do lar e da família”.


1. A natureza humana da Igreja. A igreja local é uma instituição composta de seres humanos dotados de sentimentos, desejos e volição. Nesse caso, a igreja é “humana” em  sua constituição e composição. E onde há  pessoas há relacionamentos. A nossa identidade é formada em relação com os outros. Somos seres relacionais, feitos para vivermos em comunidade, no diálogo e na amizade. O Cristianismo jamais pode ser vivido em isolamento. Portanto, as igrejas locais devem priorizar, facilitar e promover os relacionamentos com uma atitude de abertura para o outro.


Todavia é inevitável problemas de relacionamentos, haja vista que cada pessoa humana é diferente uma da outra. Não fomos feitos em série, como robôs, somos indivíduos. A igreja, no seu aspecto local, não é formada por anjos, ou por espíritos, mas por pessoas, de carne e osso, com suas virtudes e defeitos. Só a igreja no seu sentido universal, como noiva do Cordeiro, é que não tem problemas ou defeitos.


As lideranças cristãs devem atentar bem para a essa realidade humana, na igreja local. É necessário sabedoria divina para administrar o rebanho de Deus, pois são constituídos de pessoas humanas. Com sabedoria e graça de Deus é possível, sim, desenvolver-se uma liderança participativa. Em primeiro lugar, com a participação de Deus, através do Espírito Santo, governando o lado espiritual. Em segundo lugar, com a participação da liderança, em harmonia e integração com os liderados, nas decisões de ordem humana ou administrativas.


Concordo com o pr. Elinaldo Renovato quando diz que não há mais lugar, nos tempos presentes, para governos autocráticos e prepotentes, que dirigiam a igreja como se fossem seus donos ou seus capatazes, com poderes absolutos sobre as vidas das pessoas e de suas famílias. Esse estilo foi causador de muitas divisões e descontentamentos, e matou espiritualmente muitas pessoas, excluídas por motivos banais, sem fundamento bíblico. Esse tempo passou. Por outro lado, não se deve admitir que a igreja local seja espaço para um governo democrático, no sentido sociológico da palavra, como “governo do povo, pelo povo e para o povo”. Esse estilo também mata, conduz o povo ao liberalismo e ao relativismo, que ignora os ditames da Palavra de Deus. Pense nisso!


2. A Família e a Igreja – A igreja, no principio, se reunia nas casas. Segundo a história, Roma era tolerante com as muitas religiões existentes no Império. Porém, para Roma o cristianismo não era reconhecido como uma religião; daí, nos primeiros séculos, não foi permitido a construção de templos cristãos.


a) A igreja se reunia nas casas. Cada família era uma igreja, em miniatura; cada lar cristão era um templo. Havia uma igreja em cada casa onde vivia uma família cristã. A igreja não sendo reconhecida, no principio, e perseguida, num segundo momento, reunia-se, clandestinamente, nas casas, talvez em obediência à vontade de Deus, visto que com base nesta estrutura familiar, em menos de setenta anos, já se havia fundado igrejas, além da Judéia, Samaria e Galiléia, também em toda Ásia Menor, norte da África e se iniciava a conquista da Europa.  Ainda na era apostólica os cristãos já eram conhecidos como “…estes que têm alvoroçado o mundo…”(Atos 17:6).


b) Havia um entrelaciomamento entre a igreja e a família, entre a família e a igreja. Nos três primeiros séculos, e, de forma especial, no primeiro século, quando o Novo Testamento estava sendo escrito, família cristã era como sinônimo de igreja cristã. Assim, não há muitos escritos doutrinários destinados, especificamente, à família, embora ela tenha um papel predominante na igreja. Acontece que todos os ensinos, todas as orientações doutrinárias dirigidas à igreja se aplicavam também às famílias, dado o entrelaçamento existente entre estas duas instituições divinas.


c) “A Igreja que está em sua casa”. Esta expressão é encontrada muitas vezes no Novo Testamento. O uso das casas dos cristãos para divulgação do Evangelho e para o ensino da Palavra de Deus, começou em Jerusalém. Como vimos, a igreja foi inaugurada numa casa, quase que com certeza, na casa de Maria, mãe de Marcos, o autor do Evangelho que tem o seu nome. Foi ainda nessa casa que a Igreja continuou se reunindo, especialmente em cultos de oração, conforme se lê em Atos 12:12.  Em Atos 5:42 temos outro registro do uso das casas, pela igreja: “E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar, e de anunciar a Jesus Cristo”.


Como se pode observar, as famílias abriam suas casas para uso da igreja. Era, pois, muito forte a relação entre a família e a igreja.


Foi ainda numa casa onde residia uma família que as portas da salvação e do batismo com o Espírito Santo foram abertas aos gentios. Aconteceu na casa de Cornélio (vide Atos 10).


Era também nas casas das famílias cristãs que os obreiros itinerantes, inclusive Paulo, em suas viagens missionárias, eram acolhidos e hospedados.


Em Filipo, Paulo hospedou-se na casa de Lídia – “E depois que foi batizada, ela e a sua casa, nos rogou, dizendo: se haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ficai ali. E nos constrangeu a isso” (Atos 16:15).


Casas abertas por famílias acolhedoras contribuíram para o crescimento da Igreja. Paulo fez referência, também, a outra irmã hospedeira – a irmã Febe – “…porque tem hospedado a muitos, como também a mim mesmo” (Rm 16:2).


São, ainda, diversas as passagens bíblicas que fazem referência à igreja reunindo-se nas casas, tais como estas:


“As Igrejas da Ásia vos saúdam. Saúdam-vos afetuosamente no Senhor, Aquila e Priscila, com a Igreja que está em sua casa”(1Co 16:19).


“… ao amado Filemon, nosso cooperador, e à nossa irmã Afia, ao amado Arquipo, nosso camarada, e a igreja que está em tua casa” (Filemon 1:2).


“Saudai aos irmãos que estão em Laodicéia e a Ninfa e a igreja que está em sua casa”(Cl 4:15).


Como se pode observar, havia, no primeiro século, laços muito fortes no relacionamento entre a Família e a Igreja.


3. A família do obreiro. “Não raro, há obreiros que são atacados indiretamente por Satanás, que atingindo a família deles, os atinge também. É triste ver um filho de pastor fora dos caminhos do Senhor, mas é ainda mais triste ver que na congregação há pessoas que murmuram e acusam o ministro por essa situação.  Ao invés de orarem por seu pastor e pela família que ele tem, falam mal do obreiro, mas quando um dos seus precisa de oração, é ao pastor que recorrem pedindo oração e até visitas!  Aprendamos a interceder por nossos ministros e por suas famílias, pois são alvo dos ataques do Inimigo. Demonstremos amor por nossos líderes apresentando seu lar ao Senhor, para que toda a família possa estar diante de Cristo, pois um dia nós mesmos podemos precisar dessas orações” (ensinador cristão).


O bom relacionamento dos obreiros com os membros (famílias) da igreja e estes com os obreiros faz-se necessário para se evitarem conflitos desnecessários em torno de coisas que podem ser perfeitamente superados com compreensão e amor. Veja o que a Bíblia diz:


a) Relacionamento do obreiro com o membro: “Aos presbíteros, que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho” (1Pe 5:1-3).


b) Relacionamento do membro com o obreiro: “E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam; E que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós” (1Ts 5:12,13).


Assim, diante do que nos mostra a Bíblia, cremos que é possível haver absoluta harmonia e compreensão no relacionamento entre obreiros e famílias da igreja local, de modo que os componentes das famílias (pais e filhos) possam integrar-se plenamente no seio da comunidade cristã, sem conflitos, sem dissensões e sem divisões, que só trazem dissabores para a obra do Senhor.


III. A FAMILIA NA IGREJA LOCAL


1. A comunhão da família. A família é o lugar para partilharmos nossa vida. Deus quer que vivamos juntos. A essa experiência compartilhada, a Bíblia chama de comunhão. Sem a comunhão da família não há comunhão da igreja, haja vista que a igreja é composta de famílias.


A comunhão é algo que agrada as pessoas e também a Deus, pois ela nos traz bem-estar, paz e alegria.  Assim expressa o salmista Davi: “Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em  união!” (Salmos 133:1). Segundo o pr. Elinaldo Renovato, neste versículo Davi se refere à família de  irmãos de sangue em crise, ou,  de acordo com Matthew Henry, o homem segundo o coração de Deus escreveu “esse salmo por ocasião da  união entre as tribos quando todas elas se uniram unânimes para fazê-lo rei”. Logo, o Salmo davídico pronuncia a bênção para uma família que anda em  comunhão. “Irmãos e irmãs que vivem em  paz no  lar  e fora dele são tão valiosos quanto o  óleo que ungiu Arão, o  sumo sacerdote. Numa casa pacífica e unida, as bênçãos do  Senhor se manifestam”.


2. Envolvendo-se com o Corpo de Cristo. Toda a família deve se envolver  com as atividades da  igreja.  Ali, é o espaço religioso onde adoramos a Deus e proclamamos o Evangelho de  Jesus.A família deve participar de maneira ativa:


a) Adorando a Deus. É uma grande bênção quando a família sente-se alegre em ir à igreja para adorar a Deus, participando ativamente do culto e não apenas como meros assistentes (Sl 122:1). Aliás, Deus quer que cada família seja uma igreja, isto é, que, em cada família da igreja local, exista uma atmosfera de adoração a Deus. Se a família for um altar na presença de Deus, todos os integrantes irão, desde o seu lar, levar uma brasa acesa para as reuniões e atividades da igreja local e a reunião de brasas acesas produzirá, inevitavelmente, um incêndio espiritual de grandes proporções. Se cada crente, já em sua casa, tiver o fervor do Espírito, não há como impedir uma operação, uma demonstração de poder e de Espírito nas reuniões e atividades da igreja local. Na igreja primitiva, as igrejas já estavam em casa, ou seja, ali mesmo, nas casas, Deus já estava presente e Se fazia manifestar pelo Seu Espírito. Muito da fraqueza e vulnerabilidade das igrejas dos nossos dias está, precisamente, no fato de que as famílias, os lares que compõem a igreja local, serem lugares totalmente secularizados, ou seja, os lares dos crentes tornaram-se um ambiente mundano, um lugar profano, um recinto onde não se sente nem se invoca a presença de Deus.


b) Servindo a Deus. Os pais devem dar o exemplo, engajando-se no serviço a Deus, estimulando seus filhos a fazerem o mesmo. Quando os filhos participam de atividades, na igreja local, cantando, tocando, participando da evangelização; quando são alunos da Escola Dominical, ao lado de seus pais, dificilmente o maligno consegue afastá-los dos caminhos do Senhor. Envolvidos na obra do Senhor, os filhos se afastam do mundo.


c) Contribuindo financeiramente. Desde cedo, a família deve ser ensinada sobre a importância da contribuição financeira para a casa do Senhor. Os filhos precisam conscientizar-se de que contribuir financeiramente para o sustento da obra de Deus é também uma forma de adoração a Deus, e uma forma de expressar gratidão a Deus pelas bênçãos de Sua provisão.


3. Comportamento da família na casa de Deus. A família deve ser educada a saber comportar-se no ambiente da igreja local. Há dois célebres textos que falam da reverência que o cristão deve expressar no culto: “Guarda o teu pé, quando entrares na casa de Deus; e inclina-te mais a ouvir do que a oferecer sacrifícios de tolos” (Ec 5:1); “Mui fiéis são os teus testemunhos; a santidade convém à tua casa, Senhor” (Salmos 93:5).


Algumas recomendações importantes que os membros(as famílias) devem atentar:


1)     Não adentrar o templo apressadamente, nem pisando com força. Os descrentes não fazem isso no cinema, por exemplo, e a Casa de Senhor é um lugar santo em todo tempo. Ela foi consagrada a Deus.


2)     Se você chegou um pouco cedo, não espere o culto começar  para entrar no templo. Se você não entra, sem uma razão que justifique isso, você está contribuindo para a desordem no culto sagrado. Antes de sentar-se, ore primeiro a Deus. Não faça uma oração por mera formalidade. Fale mesmo com Deus, orando pelo culto.


3)     Evite usar com frequência o banheiro do templo. Banheiro de templo é para casos específicos ou emergências. Pessoas que no culto ficam entrando e saindo de banheiro ou estão doentes, ou são viciadas nisso, ou estão se exibindo, ou não querem santificar o culto ao Senhor.


4)     Há pessoas que se comportam muito mal nas igrejas, conversando, sem reverência. Não fique a conversar com ninguém durante o culto, sob pretexto nenhum. Controle sua mente e sua língua. Se você não controla a sua língua, não controla nada mais na sua vida.


5)     Ensine suas crianças a se comportarem na Casa de Deus: como entrar no templo, como andar dentro do templo sem chamar a atenção, como sair do templo em ordem etc. Há crianças que se comportam como se estivessem num parque de diversão na hora do culto. Isso é falta de educação doméstica. O obreiro e sua família devem ser exemplo dos demais irmãos (Ec 5:1).


6)     É reprovável durante o culto ao Senhor o costume de mascar chiclete ou qualquer outra goma, chupar balas ou comer qualquer coisa. A Casa do Senhor não é lugar para tais coisas. Na antiga lei mosaica, essas pessoas sairiam mortas do templo. Mas o espírito da lei continua em vigor. São por essas coisas que muitos crentes em nossos dias já perderam o fervor espiritual, o temor de Deus e estão frios na fé, sem saber o porquê.


Será que o incrédulo, ao entrar em nossa igreja no momento do culto, percebe que os crentes estão adorando ao Senhor em espírito e em verdade, e é levado a adorar a Deus também, “testemunhando que Deus está, de fato, no meio de vós” (1Co 14:25)? Pense nisso!!


CONCLUSÃO


A Família é a célula substancial da Igreja; é o elemento constitutivo da igreja local. A família e a Igreja foram criadas por Deus, e cada uma tem um propósito diverso: a família busca conceder os meios para que o homem cumpra o seu papel nesta terra; a Igreja é a assembléia dos salvos(famílias), em comunhão, criada para promover o Reino de Deus na Terra, atingir a perfeição espiritual e perseverar até o fim, a fim de alcançar a glorificação do corpo. Deste modo, vemos que a família e a Igreja têm objetivos distintos, mas que se interdependem, pois não pode um salvo cumprir sua tarefa na igreja sem fazê-lo dentro de sua família. Sem a família, a igreja, simplesmente, não existirá e não poderá cumprir o seu papel. Eis um dos mais importantes motivos para que o diabo tente destruir as famílias, pois, em as destruindo, estará atingindo, de modo fatal, as igrejas locais.  Que Deus guarde, preserve e abençoe sobremaneira todas as famílias!


———
Elaboração: Luciano de Paula Lourenço – Prof. EBD – Assembléia de Deus – Ministério Bela Vista. Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com


Referências Bibliográficas:


Bíblia de Estudo Pentecostal.
O Novo Dicionário da Bíblia – J.D.DOUGLAS.
Revista Ensinador Cristão – nº 54 – CPAD.
Comentário do Novo Testamento – Aplicação Pessoal.
A Família Cristã e os ataques do inimigo – Elinaldo Renovato – CPAD.
A Família e a Igreja – Dr. Caramuru Afonso Francisco – PortalEBD.

Deixe uma resposta! Seu comentário é relevante!