Aula dinâmica, Slides editáveis, Subsídios e materiais para fazer sua classe da EBD crescer mais. Tenha todo material necessário para a ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

Os Perigos da Arrogância Acadêmica e a Suposta Desqualificação dos Obreiros e Irmãos sem tal Formação na Defesa da Fé e da Sã Doutrina

A Teologia devocional é importante e tem sido o mínimo de preparo que muitos líderes tem tido, o que é bom, porém a teologia acadêmica é a que previne contra desvios doutrinários.

“A Teologia devocional é importante e tem sido o mínimo de preparo que muitos líderes tem tido, o que é bom, porém a teologia acadêmica é a que previne contra desvios doutrinários. Somente esta sabe argumentar com clareza diante dos subliminares apelos, disfarces e nuances que a teologia da prosperidade impõe.” (Claiton Pommerening. Pentecostalismo Líquido: fluidez teológica entre os pentecostalismos. Azusa – Revista de Estudos Pentecostais, V. 4, n. 1 (jan/2013) – Joinville: REFIDIM, 2013, p. 15)
O texto acima citado é parte de um artigo escrito pelo pastor e doutor Claiton Ivan Pommerening, que afirma claramente o seguinte:

1. A teologia acadêmica é a única que previne contra desvios doutrinários;
2. Somente a teologia acadêmica sabe argumentar com clareza diante dos apelos subliminares dos desvios doutrinários;
2. Quem não possui formação teológica acadêmica não tem a necessária competência ou capacidade para prevenir a Igreja dos desvios doutrinários;
3. Os obreiros e irmãos pentecostais que não tiveram (ou não têm) formação teológica acadêmica estão inaptos para discernir e defender a igreja dos ventos de doutrina;
4. Somente graduados, especialistas, mestres, doutores e pós-doutores da academia são capazes de defende a igreja das heresias e heterodoxias;
5. Entende-se ainda, que os apóstolos e os demais líderes na história da Igreja que não tiveram formação teológica acadêmica não estavam habilitados para a defesa clara e substancial da fé.
Fundamentado na própria perspectiva do autor do texto aqui citado, que também afirma: “Logicamente que a todo diálogo sério se permitem certas controvérsias e discrepâncias” (p. 15), discordo respeitosamente do autor, e afirmo que a capacidade de discernir desvios doutrinários e teológicos de forma clara e substancial não é exclusividade de teólogos acadêmicos.
Partindo da própria Escritura, vimos que os apóstolos foram acusados pelos doutores da Lei de iletrados e incultos (At 4.13), acusação da qual nem Jesus escapou (Jo 7.15). Jesus e os apóstolos não tinham formação rabínica, e foram tidos como incapazes e inabilitados para ensinar as Escrituras.
Ao lermos os textos bíblicos dos “iletrados e incultos” Pedro e João, vemos como o Espírito Santo capacita pescadores salvos e revestidos do poder para tratar de verdades profundas com linguagem clara, e defender a fé e a sã doutrina com firmeza, ousadia e convicção no Espírito.
A defesa da fé, a produção teológica e narrativa do Novo Testamento não foram obras apenas de doutores, como no caso de Paulo e o médico Lucas, mas teve também a contribuição no mesmo nível de autoridade apostólica e de inspiração do Espírito dos “iletrados e incultos”.
Muito embora o estudo teológico formal em todos os seus níveis proporcione um conhecimento que contribui para a defesa da fé, e consequentemente para o combates aos desvios doutrinários e teológicos, tal prerogativa não é exclusiva dos acadêmicos:
“Por aquele tempo, Jesus exclamou: — Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos.” (Mt 11.25)
“Irmãos, considerem a vocação de vocês. Não foram chamados muitos sábios segundo a carne, nem muitos poderosos, nem muitos de nobre nascimento. Pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes. E Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e quelas que não são, para reduzir a nada as que são, a fim de que ninguém se glorie na presença de Deus. Mas vocês são dele, em Cristo Jesus, o qual se tornou para nós, da parte de Deus, sabedoria, justiça, santificação e redenção, para que, como está escrito, “aquele que se gloria, glorie-se no Senhor”. (1 Co 1.26-31)
Talvez no zelo em defender o anti-intelectualismo presente em alguns círculos pentecostais, o pastor e doutor Claiton Pommerening acabou indo para um outro extremo. Tanto o anti-intelectualismo quanto a arrogância e o pedantismo acadêmico devem ser evitados.
A prova cabal de que a formação teológica acadêmica por si só não garante a devida clareza na percepção de desvios doutrinários e teológicos, é o fato de que ao longo da história da Igreja e ainda nos dias atuais, muitos acadêmicos foram e continam sendo (juntos com não-acadêmicos) os próprios criadores e disseminadores de heresias, desvios doutrinário e teológicos.
Na Igreja de Jesus, os mestres não são necessariamente os acadêmicos, mas os vocacionados pela sua soberania, misericórdia e graça, e capacitados com dons espirituais:
“E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres,
com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, ao estado de pessoa madura, à medida da estatura da plenitude de Cristo, para que não mais sejamos como crianças, arrastados pelas ondas e levados de um lado para outro por qualquer vento de doutrina, pela artimanha das pessoas, pela astúcia com que induzem ao erro. Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo,
de quem todo o corpo, bem-ajustado e consolidado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio crescimento para a edificação de si mesmo em amor.” (Ef 4.11-16)
Trago tal discussão para o espaço público, pois os artigos e outras produções acadêmicas e literárias que cito são fatos públicos, disseminados através de revistas e obras que circulam na internet e fisicamente, para que assim busquemos o devido equilíbrio, moderação e correções em nossos posicionamentos.
Talvez alguns não estejam acostumados com tais debates abertos, mas eles se fizeram presentes em toda a história da Igreja, principalmente com a invenção da imprensa (sec. XV), quando o próprio reformador Lutero, de forma pública, disseminou as suas teses e obras, contestando e combatendo os desvios doutrinários da época. Ele pagou um preço muito alto por isso, mas hoje, todos nós somos de alguma forma beneficiados por suas ações.
ATENÇÃO: O debate aqui é no âmbito extritamente teológico. Qualquer insulto nos comentários à pessoa ou caráter do pastor Claiton Pommerening será excluído.
Extraído: Post Pr. Altair Germarno

SUA OPINIÃO É RELEVANTE, COMENTE

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Consulte mais informação

CLIQUE AQUI
Saiba mais, Clique aqui
EBD INTERATIVA
Olá! Seja bem-vindo (a)....

✏️🔍Acesse no Portal EBD Interativa: https://ebdinterativa.com.br/shopping

✅ Livros / Cursos / Slides / Certificados

Confira as ofertas de hoje...