fbpx

‘Pastores, preguem, as pessoas precisam’, pede ministro da Saúde

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defendeu novos meios de se organizar a quarentena e pediu que igrejas fiquem abertas, mas não se aglomerem.

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em videoconferência com governadores do Centro-Oeste. (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em videoconferência com governadores do Centro-Oeste. (Foto: Marcos Corrêa/PR)

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defendeu nesta quarta-feira (25) o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro, que fez um pronunciamento criticando medidas de isolamento social adotadas no Brasil contra o novo coronavírus (Covid-19).

Em entrevista coletiva realizada de forma remota, Mandetta disse que a economia não deve ser deixada de lado no momento de crise por causa da epidemia. 

“A gente precisa também pensar em tudo isso, e eu vejo nesse sentido a grande colaboração da fala do presidente, de chamar a atenção de todos que é preciso pensar na economia. A maneira como vamos fazer isso será junta”, observou.

Mandetta disse que a quarentena foi pensada de forma “precipitada e desarrumada” e defendeu um melhor diálogo entre o Ministério da Saúde e governadores

“A saúde não é uma ilha, não vamos tratar isoladamente, não existe só coronavírus. Eu tenho recebido médico que está fechando consultório de pediatria, clínicas de ultrassonografia. A vida continua. Outras doenças acontecem, as pessoas têm necessidades”, afirmou o ministro.

Mandetta defendeu outros meios para se organizar uma quarentena, baseando-se, por exemplo, nos números de casos de cada estado. “Tem várias maneiras de fazer quarentena, a horizontal, a vertical, isso tudo tem um bando de gente estudando. Não vamos fazer nada que a gente não tenha confiança. Antes de adotar o fecha tudo, existe a possibilidade de trabalhar por bairro, existe a possibilidade de fazer redução em determinados aparelhos”, disse.

O ministro também defendeu a reabertura das igrejas, pedindo apenas que os fiéis não se aglomerem. “Oração é bom. Me perguntaram outro dia se as igrejas devem estar abertas ou fechadas. Que fiquem abertas, só não se aglomerem. Mas rezem, orem”, pediu. 

“Fé é um elemento de melhora da alma, do espírito. Pastores, padres, preguem pela televisão, preguem pela internet, as pessoas precisam. Façam suporte telefônico”, acrescentou.

Mandetta disse também que fica no cargo e só sai quando o presidente achar que ele não serve ou se ficar doente.

“Eu vou deixar muito claro: eu saio daqui na hora que acharem que eu não devo trabalhar, que o presidente achar, porque foi ele que me nomeou. Ou se eu tiver doente, o que é possível, eu ter uma doença, ou no momento que eu achar que esse período todo de turbulência já tenha passado e que eu possa não ser mais útil. Nesse momento de crise agora, eu vou trabalhar ao máximo. Equipe está todinha focada. Nós vamos trabalhar com critério técnico”, disse o ministro.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ESTADO DE MINAS

COMENTÁRIOS

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: