Juiz decide que fechamento de igrejas é ilegal, na Escócia

Líderes religiosos entraram com uma ação contra a proibição do culto presencial nas igrejas escocesas.

Julgamento da ação na Escócia (Foto: Reprodução/ Sky News)

Nesta quarta-feira (24), durante um julgamento, o juiz Lord Braid determinou que o governo escocês agiu contra a Constituição quando tornou os serviços religiosos um crime durante o bloqueio da pandemia.

Os líderes da Igreja da Escócia estão comemorando a abertura das casas de oração depois de terem sofrido com as restrições impostas pela Escócia.  A ação foi movida por 27 líderes de diferentes denominações, entre elas a Igreja da Escócia e mais outras várias igrejas independentes.

Agora os cultos vão poder continuar normalmente no país, como no resto do Reino Unido, durante o bloqueio atual.

O culto deve permanecer nas Igrejas da Escócia

Braid, disse que as regras escocesas feriam o Artigo 9 da Convenção Europeia de Direitos Humanos e disse que teria um efeito catastrófico sobre os cidadãos que têm suas crenças religiosas.

“Vai além da mera perda de companheirismo e da impossibilidade de ir a um clube de almoço. O fato de os regulamentos serem respaldados por sanções criminais também é uma consideração relevante”, disse o juiz.

Quem insistisse em prestar culto de acordo com suas crenças religiosas estariam sujeitos a uma multa de £ 10.000, o juiz alegou tal ato como efeito desproporcional.

Além disso, Brad disse que a adoração online não podia ser considerada uma adoração real, e que os ministros escoceses não podiam ditar tal regra aos líderes religiosos.

Segundo o decreto, as igrejas da Escócia deveriam ser reabertas na sexta-feira, mas o juiz determinou a sentença de efeito imediato.

Pastores comemoram a decisão

Os líderes das igrejas comemoraram a decisão, entre eles o Rev. Dr. William Philip, ministro sênior da Igreja Tron em Glasgow, participante da ação, disse que reconhecer o trabalho da igreja na comunidade é essencial.

“Os ministros escoceses tiveram de tomar em resposta à pandemia. No entanto, sua abordagem para banir e criminalizar o culto religioso reunido foi claramente exagerado e desproporcional e, se não tivesse sido contestado, teria estabelecido um precedente muito perigoso”, afirmou Philip.

A diretora executiva do Christian Legal Center, Andrea Williams, afirmou que a liberdade ao culto cristão nas nações do Reino Unido é considerada fundamental durante séculos.

“Durante esta pandemia, pela primeira vez na história, nossos governos optaram por criminalizar a reunião do culto na igreja”, afirmou Williams. E agradeceu pelo Supremo Tribunal da Escócia reconhecer esse direito.

O cônego Tom White afirmou que esse veredito mostrou que é necessário proteger também as necessidades espirituais das pessoas e não somente a integridade física e material da sociedade, segundo o Christian Today.

 

Fonte: Gospel Prime

 

COMENTÁRIOS

Chat
Precisa de ajuda?
EBD INTERATIVA
Olá!
Como podemos ajudar?
%d blogueiros gostam disto: