Aula dinâmica, Slides editáveis, Subsídios e materiais para fazer sua classe da EBD crescer mais. Tenha todo material necessário para a ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

Lição 11: A realidade Bíblica do Inferno

Comentário Exegético Leitura Bíblica em Classe Mateus 25:41-46

Nota teológica para os professores. O comentarista da lição utiliza o texto de Mateus 25:41-46 para enfatizar o ensino bíblico da realidade do sofrimento eterno para os ímpios – no entanto na visão escatológica predominante das Assembleias de Deus este texto aplica-se ao julgamento das nações – pois a passagem em apreço inicia-se no verso 31 (veja a nota da Bíblia de Estudo Pentecostal a respeito em Mateus 25:32. Veja também em Teologia Sistemática – Uma Perspectiva Pentecostal na página 527 – e também em O Calendário da Profecia na página 60 – ambas publicadas pela CPAD). Vale ressaltar que o foco da lição não está em discorrer sobre a interpretação exata deste texto – e sim abalizar-se na realidade bíblica do inferno final. Mas, como recurso teológico é interessante o professor tê-lo em stand-bye, vai que algum aluno mais estudado pergunte. Temos que reconhecer a dificuldade de desassociar esta passagem das implicações do destino final de salvos e condenados em peculiares eventos do porvir. Este é um daqueles casos em que a passagem bíblica (julgamento das nações – ato explícito imediato do texto) também conflui em seu alcance remoto para eventos ainda mais vindouros (juízo final – fato implícito remoto).


 

Mateus 25:41 – “Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • ἀποχωρεῖτε (apochoreite) – afastai-vos
  • κατάρατοι (kataratoi) – malditos
  • πῦρ αἰώνιον (pyr aionion) – fogo eterno

Comentário exegético: Mateus 25:41 é uma parte crucial da parábola das Ovelhas e dos Bodes, onde Jesus descreve o destino terrível daqueles que são condenados no julgamento final. A frase é carregada de significado e simbolismo, exigindo uma análise cuidadosa para compreender sua mensagem completa.

1. Condenação Definitiva:
A palavra “apartai-vos” (apochoreite) indica uma separação abrupta e permanente. Os condenados são banidos da presença de Deus, lançados em um estado de eterna alienação. A severidade da sentença é enfatizada pelo termo “malditos” (kataratoi), que carrega a ideia de maldição e reprovação divina.

2. Fogo Eterno:
A frase “fogo eterno” (pyr aionion) é frequentemente interpretada como uma descrição literal do inferno, um lugar de tormento físico e sofrimento eterno. No entanto, alguns estudiosos argumentam que o “fogo” pode ser uma metáfora para a separação de Deus, representando a angústia e o desespero daqueles que estão longe da Sua presença.

3. Preparado para o Diabo e Seus Anjos:
A declaração de que o fogo eterno foi “preparado para o diabo e seus anjos” levanta questões sobre a natureza do julgamento e a responsabilidade individual. Alguns interpretam essa frase como um indicativo de que os condenados estão destinados ao mesmo destino que Satanás e seus seguidores, enquanto outros a veem como um contraste entre o destino dos salvos e dos perdidos.

4. Ação e Consequência:
O julgamento descrito em Mateus 25:41 não é baseado em crenças ou afiliações religiosas, mas sim nas ações e atitudes das pessoas durante suas vidas. A parábola das Ovelhas e dos Bodes destaca a importância de demonstrar amor e compaixão pelos necessitados, pois essas ações são vistas como um reflexo da fé e do relacionamento com Deus.

Referências Bíblicas:

  • Mateus 7:21-23: Jesus adverte que nem todos que dizem “Senhor, Senhor” entrarão no Reino dos Céus, mas apenas aqueles que fazem a vontade do Pai.
  • Tiago 2:14-17: A fé sem obras é morta, e a verdadeira fé se manifesta no cuidado pelos pobres e necessitados.
  • Apocalipse 20:14-15: A morte e o Hades são lançados no lago de fogo, indicando a destruição final do mal e da morte.

Este verso adverte sobre a seriedade do julgamento final e da importância de viver uma vida de acordo com os ensinamentos de Jesus. Ao demonstrar amor e compaixão pelos outros, especialmente pelos mais necessitados, podemos refletir o caráter de Deus e nos aproximarmos de Seu reino eterno (embora não sejam boas obras a nos salvar – as boas obras e sobretudo a caridade – espera-se dos salvos por Cristo).


Mateus 25:42 – “Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • πεινάω (peinao) – ter fome
  • διψῶ (dipsao) – ter sede
  • φαγεῖν (phagein) – comer
  • πιεῖν (piein) – beber

Comentário exegético: Mateus 25:42 continua a descrição do julgamento final na parábola das Ovelhas e dos Bodes, focando na negligência das necessidades básicas dos outros como um indicador da falta de fé e amor. Jesus apresenta duas situações exemplares: fome e sede, necessidades humanas fundamentais que, quando negligenciadas, demonstram a indiferença ao sofrimento alheio.

1. Fome e Sede:
A fome e a sede são necessidades fisiológicas básicas que, quando não atendidas, causam sofrimento e podem levar à morte. No contexto da parábola, esses elementos representam as necessidades mais básicas dos seres humanos, que transcendem diferenças sociais, culturais e religiosas.

2. Negação da Compaixão:
A frase “não me destes de comer” e “não me destes de beber” revela a recusa em atender às necessidades básicas de outro ser humano. Essa negação da compaixão demonstra a falta de amor e empatia, qualidades essenciais para aqueles que desejam seguir os ensinamentos de Jesus.

3. Identificação com os Necessitados:
Ao afirmar “tive fome” e “tive sede”, Jesus se identifica com os mais necessitados e marginalizados da sociedade. Essa identificação rompe barreiras sociais e enfatiza a responsabilidade de cuidar daqueles que sofrem.

4. Consequências da Negligência:
A negligência das necessidades básicas dos outros é vista como uma negação do próprio Jesus. Ao ignorar o sofrimento alheio, os indivíduos demonstram que não estão em comunhão com Deus e com seus ensinamentos de amor e compaixão.

Referências Bíblicas:

  • Provérbios 14:31: “Quem oprime os pobres insulta ao seu Criador, mas quem tem compaixão deles o honra.”
  • Mateus 22:37-39: Jesus resume a Lei e os Profetas em dois mandamentos: amar a Deus acima de tudo e amar o próximo como a si mesmo.
  • Tiago 1:27: “A religião pura e sem mácula diante de Deus, nosso Pai, é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas em suas aflições e manter-se imaculado do mundo.”

Este verso é um poderoso lembrete de que nossa fé se manifesta em nossas ações. Cuidar dos necessitados, especialmente dos mais vulneráveis, é um reflexo do amor de Deus em nossas vidas. Ao atender às necessidades básicas dos outros, demonstramos nossa compaixão e construímos um mundo mais justo e fraterno.


Mateus 25:43 – “Fui estrangeiro, e não me acolhestes; estava nu, e não me vestistes; enfermo e preso, e não me visitastes.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • ξένος (xenos) – estrangeiro
  • γυμνός (gymnos) – nu
  • ἀσθενής (asthenēs) – enfermo
  • ἐν φυλακῇ (en phylakē) – preso
  • φιλοξενεῖν (philoxenein) – acolher
  • ἱμάτιον (himation) – vestir
  • ἐπισκέπτεσθαι (episkeptesthai) – visitar

Comentário exegético: Mateus 25:43 complementa a descrição do julgamento final na parábola das Ovelhas e dos Bodes, expandindo a lista de necessidades básicas negligenciadas para incluir acolhimento, vestimenta e visitação aos enfermos e presos. Através dessas situações, Jesus destaca a importância da compaixão e do cuidado pelos marginalizados da sociedade.

1. Estrangeiro:
A palavra “estrangeiro” (xenos) se refere àqueles que estão fora de seu país ou comunidade de origem, representando os marginalizados e excluídos da sociedade. Negar acolhimento ao estrangeiro demonstra a falta de hospitalidade e compaixão, valores centrais nos ensinamentos de Jesus.

2. Nu:
A nudez (gymnos) simboliza a extrema pobreza e vulnerabilidade. Negar roupas à pessoa nua significa negar a ela dignidade e proteção básica, demonstrando apatia diante do sofrimento alheio.

3. Enfermo:
A doença (asthenēs) representa a fragilidade e a dependência de cuidado. Negar visitação ao enfermo demonstra a falta de compaixão e empatia com aqueles que sofrem, ignorando suas necessidades físicas e emocionais.

4. Preso:
A prisão (en phylakē) simboliza a privação de liberdade e a marginalização social. Negar visitação ao preso demonstra a indiferença ao sofrimento humano e à necessidade de redenção.

5. Ações como Reflexo da Fé:
As ações de acolher, vestir, visitar e cuidar dos necessitados são vistas como um reflexo da fé e do amor em ação. Através delas, os indivíduos demonstram sua comunhão com Deus e com seus ensinamentos de compaixão e justiça social.

6. Identificação com os Marginalizados:
Ao se identificar com o estrangeiro, o nu, o enfermo e o preso, Jesus demonstra sua profunda compaixão por aqueles que sofrem e estão à margem da sociedade. Essa identificação desafia os seguidores de Jesus a estenderem a mão aos mais necessitados, reconhecendo a dignidade inerente a cada ser humano.

Referências Bíblicas:

  • Levítico 19:34: “O estrangeiro que vive convosco será como um israelita nato. Vocês o amarão como a si mesmos, porque vocês também foram estrangeiros na terra do Egito.”
  • Isaías 58:7: “Compartilhe seu pão com o faminto, acolha em sua casa os pobres que não têm teto; cubra com roupas quem precisa e não se desvie dos seus semelhantes.”
  • Mateus 7:12: “Em tudo façam aos outros o que vocês querem que eles façam a vocês. Esta é a lei dos profetas e o resumo do ensino da Lei.”

Este verso é um chamado urgente à ação, convidando-nos a olhar para os marginalizados da sociedade com compaixão e agir em nome da justiça e do amor. Ao atender às necessidades básicas dos mais necessitados, demonstramos nossa fé em ação e construímos um mundo mais humano.

Mateus 25:44 – “Então, eles também responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou preso, e não te servimos?” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • πότε (pote) – quando
  • εἴδομεν (eidoamen) – vimos
  • πεινῶσαν (peinōsan) – com fome
  • διψῶν (dipsōn) – com sede
  • ξένον (xenos) – estrangeiro
  • γυμνόν (gymnon) – nu
  • ἀσθενῆ (asthenē) – enfermo
  • ἐν φυλακῇ (en phylakē) – preso
  • διακονῆσαι (diakonesai) – servir

Comentário exegético: Mateus 25:44 apresenta a resposta dos condenados no julgamento final da parábola das Ovelhas e dos Bodes. Eles questionam Jesus, alegando que nunca o viram em necessidade e, portanto, não teriam como servi-lo. Essa resposta revela a falta de compreensão da natureza do amor e da compaixão, pois demonstra a crença de que o serviço a Deus se limita a ações direcionadas a ele em sua forma física.

1. Visão Distorcida do Serviço:
A pergunta dos condenados indica que eles entendiam o serviço a Deus como algo restrito a ações diretas e tangíveis para com Jesus em sua forma humana. Essa visão ignora o ensinamento central de Jesus sobre amar o próximo como a si mesmo, pois limita o serviço a Deus a situações específicas e observáveis.

2. Identificação com os Necessitados:
Na parábola, Jesus se identifica com os mais necessitados da sociedade: os famintos, sedentos, estrangeiros, nus, enfermos e presos. Ao servir a esses indivíduos, os indivíduos estão, na verdade, servindo ao próprio Jesus.

3. Falta de Empatia e Compaixão:
A resposta dos condenados revela a falta de empatia e compaixão pelos outros. Eles não reconhecem as necessidades dos necessitados e não se sentem motivados a ajudá-los, demonstrando uma atitude egocêntrica e indiferente ao sofrimento alheio.

4. Consequências da Indiferença:
A indiferença às necessidades dos outros é vista como uma negação do próprio Jesus e seus ensinamentos. Ao ignorar o sofrimento alheio, os indivíduos demonstram que não estão em comunhão com Deus e com seus valores de amor, compaixão e justiça social.

Referências Bíblicas:

  • Mateus 22:37-39: Jesus resume a Lei e os Profetas em dois mandamentos: amar a Deus acima de tudo e amar o próximo como a si mesmo.
  • Tiago 2:14-17: A fé sem obras é morta, e a verdadeira fé se manifesta no cuidado pelos pobres e necessitados.
  • 1 João 4:20: “Se alguém afirmar amar a Deus, mas odiar seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, a quem viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?”

Este verso é um lembrete de que o amor e a compaixão por Deus se manifestam no cuidado pelos necessitados. Ao servirmos aos outros, especialmente aos mais marginalizados da sociedade, estamos servindo ao próprio Jesus e demonstrando nossa fé em ação. A indiferença ao sofrimento alheio, por outro lado, revela a falta de amor e comunhão com Deus.


Mateus 25:45 – “E ele lhes responderá: Em verdade vos digo que, sempre que o deixasteis de fazer a um destes mais pequeninos, deixastes de o fazer a mim.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • ἀμήν (amēn) – em verdade
  • λέγω (legō) – digo
  • ὑμῖν (hymin) – a vocês
  • ὅτι (hoti) – que
  • ὅσον (hoson) – sempre que
  • οὐκ ἐποιήσατε (ouk epoiesate) – não fizestes
  • ἑνὶ (heni) – a um
  • τούτων (toutōn) – destes
  • τῶν μικρῶν (tōn mikrōn) – dos pequeninos
  • ἐμοὶ (emoi) – a mim
  • οὐκ ἐποιήσατε (ouk epoiesate) – não fizestes

Comentário exegético: Mateus 25:45 apresenta a resposta definitiva de Jesus aos condenados no julgamento final da parábola das Ovelhas e dos Bodes. Ele afirma que a negligência das necessidades dos “mais pequeninos” é equivalente à negação do próprio Jesus. Essa declaração poderosa enfatiza a importância da compaixão e do cuidado pelos marginalizados da sociedade como reflexo da fé autêntica.

1. Identificação com os Necessitados:
A frase “dos pequeninos” (tōn mikrōn) se refere aos mais vulneráveis e marginalizados da sociedade, incluindo os pobres, doentes, famintos, estrangeiros, presos e outros que sofrem. Ao se identificar com esses indivíduos, Jesus demonstra sua profunda compaixão por aqueles que estão à margem da sociedade.

2. Serviço como Expressão de Amor:
A afirmação de Jesus indica que o serviço aos necessitados é uma forma de expressar amor a ele. Cuidar dos “mais pequeninos” não é apenas um ato de caridade, mas também um reflexo da fé e da comunhão com Deus.

3. Consequências da Negligência:
Negligenciar as necessidades dos “mais pequeninos” é visto como uma negação do próprio Jesus. Essa negligência demonstra a falta de amor, compaixão e empatia, qualidades essenciais para aqueles que desejam seguir os ensinamentos de Jesus.

4. Universalidade do Amor:
A mensagem de Mateus 25:45 transcende barreiras religiosas, culturais e sociais. O amor e a compaixão devem ser direcionados a todos, independentemente de sua fé, origem ou status social.

Referências Bíblicas:

  • Mateus 22:37-39: Jesus resume a Lei e os Profetas em dois mandamentos: amar a Deus acima de tudo e amar o próximo como a si mesmo.
  • Tiago 2:14-17: A fé sem obras é morta, e a verdadeira fé se manifesta no cuidado pelos pobres e necessitados.
  • 1 João 4:20: “Se alguém afirmar amar a Deus, mas odiar seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, a quem viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?”

Novamente este verso é um chamado urgente à ação, convidando-nos a olhar para os marginalizados da sociedade com compaixão e agir em nome da justiça e do amor. Ao atender às necessidades básicas dos mais necessitados, demonstramos nossa fé em ação e construímos um mundo mais humano e fraterno. A negação do amor e da compaixão aos outros, por outro lado, revela a falta de comunhão com Deus e seus ensinamentos.


Mateus 25:46 – “E estes irão para o castigo eterno, mas os justos, para a vida eterna.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • ἀποχωροῦσιν (apochorousin) – irão
  • εἰς κόλασιν αἰώνιον (eis kolasin aionion) – para o castigo eterno
  • δίκαιοι (dikaioi) – justos
  • εἰς ζωὴν αἰώνιον (eis zoēn aionion) – para a vida eterna

Comentário exegético: Mateus 25:46 conclui a parábola das Ovelhas e dos Bodes, descrevendo o destino final dos condenados e dos justos no julgamento final. A frase apresenta um contraste marcante entre o castigo eterno dos condenados e a vida eterna dos justos, enfatizando a importância das escolhas e ações realizadas durante a vida.

1. Punição e Recompensa:
O “castigo eterno” (eis kolasin aionion) representa a separação definitiva de Deus e a experiência de sofrimento e tormento. Já a “vida eterna” (eis zoēn aionion) simboliza a comunhão eterna com Deus, caracterizada por paz, alegria e plenitude.

2. Justiça e Misericórdia:
O julgamento final descrito em Mateus 25:46 é baseado na justiça e na misericórdia de Deus. Os condenados são aqueles que rejeitaram o amor e a compaixão de Deus, enquanto os justos são aqueles que demonstraram amor ao próximo e viveram de acordo com os ensinamentos de Jesus.

3. Consequências das Escolhas:
A parábola das Ovelhas e dos Bodes, culminando em Mateus 25:46, serve como um lembrete de que nossas escolhas e ações durante a vida têm consequências eternas. Ao seguirmos os ensinamentos de Jesus e demonstrarmos amor, compaixão e justiça, podemos alcançar a vida eterna em comunhão com Deus.

4. Esperança e Transformação:
A mensagem de Mateus 25:46 não se limita à condenação e ao temor, mas também oferece esperança e a possibilidade de transformação. Através do arrependimento e da fé em Jesus Cristo, podemos ser reconciliados com Deus e alcançar a vida eterna.

Referências Bíblicas:

  • Mateus 7:21-23: Jesus adverte que nem todos que dizem “Senhor, Senhor” entrarão no Reino dos Céus, mas apenas aqueles que fazem a vontade do Pai.
  • Apocalipse 20:11-15: A morte e o Hades são lançados no lago de fogo, indicando a destruição final do mal e da morte.
  • João 3:16: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”

Este texto serve como um poderoso chamado à reflexão sobre nossas escolhas e ações. Ao vivermos de acordo com os ensinamentos de Jesus, demonstrando amor, compaixão e justiça, podemos alcançar a vida eterna em comunhão com Deus. A parábola nos convida a construir um mundo mais justo, fraterno e permeado pelo amor, buscando a transformação individual e coletiva para alcançarmos a salvação.

 

Saiba mais em Gospel Trends
Autor: Costa, Silvio

 

 

Faça um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Consulte mais informação

CLIQUE AQUI
Olá! Como posso te ajudar hoje?
NOVIDADES DO DIA !!!
Olá! Seja bem-vindo (a)....

✏️🔍Acesse no Portal EBD Interativa: https://ebdinterativa.com.br/shopping

✅ Livros / Cursos / Slides / Certificados

Confira as ofertas de hoje...