Lição 3: O batismo no Espírito Santo

Data: 17 de Janeiro de 2021

VÍDEO DE APOIO

Roteiro do vídeo — Lição 3.

TEXTO ÁUREO

Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias” (At 1.5).

VERDADE PRÁTICA

Ser batizado no Espírito Santo é uma experiência espiritual perfeitamente distinta da nossa conversão, e para nós, essa é uma verdade apresentada nas Escrituras.

LEITURA DIÁRIA

Segunda — Lc 24.49

O batismo no Espírito Santo é um revestimento dado aos crentes

Terça — Jo 1.33

É o Senhor Jesus que batiza no Espírito Santo

Quarta — Mt 3.11

Há uma diferença inconfundível entre o batismo em águas e o batismo no Espírito Santo

Quinta — At 2.38,39

Uma promessa para todos os crentes em todas as épocas e em todos os lugares

Sexta — At 10.44-46

As línguas são os sinais físicos e iniciais do batismo no Espírito Santo

Sábado — 1Co 13.8-10

A manifestação das línguas vai continuar até a vinda de Cristo

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Atos 2.1-13.

1 — Cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar;

2 — e, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados.

3 — E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.

4 — E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.

5 — E em Jerusalém estavam habitando judeus, varões religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu.

6 — E, correndo aquela voz, ajuntou-se uma multidão e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua.

7 — E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! Não são galileus todos esses homens que estão falando?

8 — Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos?

9 — Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, e Judeia, e Capadócia, e Ponto, e Ásia,

10 — e Frígia, e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos (tanto judeus como prosélitos),

11 — e cretenses, e árabes, todos os temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus.

12 — E todos se maravilhavam e estavam suspensos, dizendo uns para os outros: Que quer isto dizer?

13 — E outros, zombando, diziam: Estão cheios de mosto.

HINOS SUGERIDOS

24, 155 e 387 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL

Conscientizar a respeito do Batismo no Espírito Santo como uma verdade revelada nas Escrituras.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Abaixo os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com seus respectivos subtópicos.

  • I. Conceituar o Batismo no Espírito Santo;
  • II. Mostrar o propósito do Batismo no Espírito Santo;
  • III. Destacar o recebimento e a evidência do Batismo no Espírito Santo.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

O Batismo no Espírito Santo é uma experiência distinta da salvação. Ele reflete a busca por uma aproximação mais pessoal do crente com Deus. Por isso, e de modo geral, o movimento pentecostal tem a vocação de fazer oposição contra uma formalidade intelectual da vida cristã. A maravilhosa experiência do Espírito capacita o crente a ser eficaz no testemunho do Evangelho ao mundo, e não por refinamento formal e intelectual, embora este possa ter um importante papel desde que esteja sob o domínio do Espírito. Quando a Palavra de Deus é proclamada sob o poder do Espírito, sua veracidade é confirmada. Assim, é o Espírito que confirma a Palavra, não o formalismo intelectual e os padrões humanos de convencimento.

Portanto, é preciso desejar essa experiência, comunicá-la e estimulá-la entre os alunos. Uma vida sob a virtude do Espírito é a vontade de Deus para a eficácia da evangelização.

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

O pentecostalismo é uma reação contra uma estrutura formal e exageradamente intelectualizada do comportamento cristão. Estudar as Escrituras não precisa ser sinônimo de formalismo. O propósito fundamental do “batizar no Espírito Santo” é a busca de uma aproximação de um Deus pessoal e real.

PONTO CENTRAL

O Batismo no Espírito é uma verdade revelada nas Escrituras.

I. O QUE SIGNIFICA “BATISMO NO ESPÍRITO”?

O Novo Testamento nos ensina que a salvação é uma coisa e o batismo no Espírito é outra. São duas bênçãos espirituais distintas concedidas por Deus em Cristo.

1. O fenômeno do Pentecostes (vv.2-4). João Batista anuncia que Jesus é o que batiza no Espírito Santo (Mt 3.11; Mc 1.8; Lc 3.16; Jo 1.33). Nesse sentido, ser batizado no Espírito Santo é identificado como receber poder do alto e a “promessa de meu Pai” (Lc 24.49).

Os discípulos deveriam esperar o seu cumprimento em Jerusalém (At 1.4,5). Não há dúvida de que a descida do Espírito no dia de Pentecostes é uma referência a esse batismo (vv.2-4). Chegamos a essa conclusão também pela explicação do apóstolo Pedro aos demais apóstolos (At 11.15,16). Isso reforça a ideia de que “cheios do Espírito Santo” no presente contexto se refere a ser “batizado no Espírito Santo”, mas em outras partes do Novo Testamento indica uma vida na plenitude e no fervor do Espírito (At 4.8,31; 7.55; 13.52; Ef 5.18).

2. Duas bênçãos distintas. Quem nasceu de novo tem o Espírito Santo (Jo 3.5-8). Essa verdade é ensinada com clareza no Novo Testamento. O Espírito habita em todos os crentes em Jesus, sejam eles pentecostais ou não (1Co 3.16; 6.19). Quem não tem o Espírito não é cristão (Rm 8.9). Sabemos que a experiência de ser batizado no Espírito Santo é distinta da experiência da conversão porque os discípulos já tinham a vida eterna e o Espírito mesmo antes do dia de Pentecostes (Lc 10.20; Jo 20.22). Todos os presentes no cenáculo por ocasião da descida do Espírito eram crentes, e isso confirma a nossa doutrina pentecostal de que a bênção de ser batizado no Espírito Santo é distinta da conversão (At 8.12-17; 9.17; 19.2-6).

3. Conceito teológico. Ser batizado no Espírito Santo inicia o crente no serviço, e não na salvação. Isso significa ser revestido do poder do alto e diz respeito à capacitação dos crentes em Jesus para a expansão do evangelho e a edificação espiritual (Lc 24.49). Trata-se de uma experiência que ocorre após ou junto à regeneração (At 9.17; 10.44-48). Todas as promessas sobre o batismo no Espírito Santo se cumprem integralmente no derramamento de Pentecostes e continuam até a atualidade. Cremos e ensinamos que tal experiência Deus disponibilizou para todos os crentes, homens e mulheres, jovens e idosos, escravos e livres (At 2.18) em todos os lugares e em todas as épocas (At 2.38,39).

SÍNTESE DO TÓPICO (I)

O Batismo no Espírito Santo é um revestimento de poder que diz respeito à capacitação do crente para pregar o Evangelho e edificar a igreja.

SUBSÍDIO DIDÁTICO—PEDAGÓGICO

Muitos têm dúvidas quanto à natureza do Batismo no Espírito. Há os que a confundem com a da salvação. Você pode aproveitar essa oportunidade para desfazer essa confusão, perguntado a respeito dessa questão.

Ao expor o primeiro tópico, explique que o Batismo no Espírito Santo não é salvação, pois ele diz respeito à experiência de poder para o serviço; enquanto a salvação é uma experiência de regeneração e justificação do pecador.

Todos que foram regenerados, justificados, ou seja, salvos pela graça de Deus, podem receber o Batismo no Espírito Santo. Essa experiência aprofunda mais a nossa comunhão com Deus, potencializa o nosso serviço no Reino e permite caminhar em fervor na vida cristã. Assim, atue em favor de que a sua classe não confunda Batismo no Espírito Santo com Salvação, pois são experiências distintas na vida do crente.

II. O PROPÓSITO DO BATISMO NO ESPÍRITO

Considerando que ser batizado no Espírito Santo não é salvação, e ambas as experiências são coisas distintas, como verdade pentecostal fundamentada de maneira robusta no Novo Testamento, então, é necessário saber qual o propósito desse batismo.

1. Finalidade. O propósito central é a capacitação do Espírito para o serviço divino como: a) o poder para uma vida santa e serviço eficaz; b) a pureza ou a santificação simbolizada pelas línguas de fogo (Mt 3.11; At 15.8,9); c) o revestimento pleno do poder de Deus, “todos foram cheios do Espírito Santo”; d) a proclamação ou o testemunho de Cristo (At 1.8) concedido de várias formas pelo Espírito: “segundo o Espírito Santo lhes concedia que falassem”.

2. A capacitação do Espírito. É do conhecimento da maioria que a ideia do termo “batismo” é imersão; ser batizado significa ser mergulhado. As expressões como “derramar” o Espírito sobre os irmãos e as irmãs ou “serem cheios” do Espírito para se referir ao batismo no Espírito Santo podem lançar luz sobre o propósito dessa promessa, pois, ser imerso significa capacitação. Isto é, revelação dos mistérios de Deus (Ef 3.5), poder para testemunhar de Jesus (At 1.8), profetizar (At 11.28), realizar milagres (Rm 15.19).

3. Uma necessidade real e atual. O Espírito Santo veio no dia de Pentecostes porque os discípulos precisavam que a sua mensagem fosse revestida de poder para salvar os pecadores (Lc 24.47-49; At 1.8). Como receber esse batismo? É o Senhor Jesus que batiza (Mt 3.16; Mc 1.8; Lc 3.16; Jo 1.33). Todos os crentes devem buscar essa promessa para a sua edificação e crescimento espiritual. Não existem regras rígidas no Novo Testamento para recebê-lo, pois Deus atende a casos individuais de modos diferentes, mas é necessário arrependimento sincero, fé nas promessas do batismo no Espírito, oração e paciência (At 2.38,39; Lc 11.9-13).

SÍNTESE DO TÓPICO (II)

O propósito central do Batismo no Espírito é a capacitação espiritual para o serviço divino.

SUBSÍDIO PEDAGÓGICO—TEOLÓGICO

Ao finalizar este tópico, pergunte se ser “batizado no Espírito Santo” é o mesmo que ser “cheio do Espírito”. Ouça as respostas. É corriqueiro muitos acharem que é a mesma coisa, mas sem atentarem para a complexidade dessas expressões de acordo com Lucas, em Atos, e Paulo, em Efésios.

Responda à pergunta mostrando que a expressão “cheio do Espírito Santo” tem conotações distintas. Em Lucas (Atos), ela revela uma capacitação para o serviço; em Paulo (Efésios), a questões de caráter, vida santa. Para fundamentar melhor essa resposta, leve em conta a seguinte explicação do professor Gutierres Siqueira: “A terminologia ‘cheio do Espírito Santo’ tem o significado nos escritos de Lucas e de Paulo? Os teólogos pentecostais respondem que não, pois ser ‘cheio do Espírito Santo’ em Lucas está relacionado ao serviço e à mordomia cristã, enquanto que ser ‘cheio do Espírito Santo’ em Paulo está implicitamente ligado a questões de caráter e santidade. Longe de ser uma contradição, há um verdadeiro complemento, pois como servir sem o caráter cristão? Como manifestar os traços de Cristo e ainda permanecer inerte diante do serviço para o Reino de Deus? O que deve ficar claro na mente dos leitores da Bíblia é que ‘Batismo no Espírito Santo’ pode ser associado a ‘ser cheio do Espírito’ em Lucas, mas não nas epístolas paulinas. Sem dúvida, o contexto ministerial de ambos determinou a ênfase diferenciada” (SIQUEIRA, Gutierres Fernandes. Revestidos de Poder:Uma Introdução à Teologia Pentecostal. 1ª Edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2018, p.83).

III. O RECEBIMENTO E A EVIDÊNCIA DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO

Nem todos os crentes em Jesus são batizados no Espírito Santo, apesar de a promessa divina ser para todas as pessoas que se convertem ao Senhor Jesus em todos os lugares e em todas as épocas; mas todas elas têm o Espírito Santo (Rm 5.5).

1. As “outras línguas”. As “outras línguas”, a glossolalia, são ininteligíveis, e evidencia externa, física e inicialmente o batismo no Espírito Santo (vv.3,4). Mas, não só isso. Note que a nossa Declaração de Fé das Assembleias de Deus acrescenta: “mas somente a evidência inicial, pois há evidência contínua da presença especial do Espírito como o ‘fruto do Espírito’ (Gl 5.22) e a manifestação dos dons (1Co 14.1)”. Sua fonte é o próprio Espírito Santo (vv.8,11). Em línguas os discípulos falavam “das grandezas de Deus” (v.11) e, na casa de Cornélio, todos “os ouviam falar em línguas e magnificar a Deus” (At 10.46).

2. Função das línguas. Elas sinalizam a presença do Espírito. O dom de línguas, pelo que se vê nos capítulos 12 a 14 de 1Coríntios, está associado à oração pessoal (1Co 14.13-23). As línguas, em Atos, indicam o recebimento do poder profético (2.4,17; 19.6). As línguas nas cartas paulinas são também importantes, pois o apóstolo as descreve como língua do Espírito, por meio dais quais conversamos com Deus em mistério; por meio delas oramos em espírito e louvamos a Deus (1Co 14.14,16,17). Esse dom, sem dúvida, é muito útil para a oração, as devoções pessoais e o desenvolvimento de nossa sensibilidade ao Espírito (1Co 14.2). Foram as línguas que sinalizaram o batismo de Cornélio (At 10.47). Que sinal tangível levou Simão Samaritano a desejar esse dom? (At 8.18).

3. Atualidade das línguas. A promessa de ser batizado no Espírito Santo é para toda a Igreja. Isso engloba todos os cristãos em todos os lugares e em todas as eras (Jl 2.28-32; At 2.16-21), de modo que as línguas são inseparáveis do batismo no Espírito. Dos três sinais sobrenaturais manifestos no dia de Pentecostes com a descida do Espírito Santo, somente o “falar em outras línguas” (v.4) veio para ficar, ele se repete (At 10.44-47; 19.6). Mas, os outros dois: “um som, como de um vento veemente e impetuoso” (v.2) e “línguas repartidas, como que de fogo” (v.3) ocorreram uma só vez, e eles não se repetem nunca mais.

SÍNTESE DO TÓPICO (III)

O Batismo no Espírito Santo é para todas as pessoas, e sua evidência são as línguas.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

“Falar em Línguas É bom para Você

Dos nove dons espirituais mencionados em 1Coríntios 12.8-10, somente a um atribui-se a força da edificação pessoal. ‘O que fala língua estranha edifica-se a si mesmo’ (1Co 14.4). E acrescentou Paulo: ‘Quero que todos vós faleis línguas estranhas’ (1Co 14.5), e ‘Dou graças ao meu Deus, porque falo mais línguas do que vós todos’ (1Co 14.18). Certamente não há autoridade maior que Paulo neste assunto. Ele não poderia ser chamado de ‘teórico’. Seus ensinos vieram de experiências pessoais na escola do Espírito. E o Espírito dirigiu-o em suas instruções aos coríntios. O termo grego oikodom, empregado por Paulo e traduzido como ‘edificar’ ou ‘edificação’, significa formar ou ser formado. A aplicação deste termo ao homem espiritual conduz a ideia de crescimento e desenvolvimento do espírito. Que belo! O homem que demonstra evidência de grande crescimento e desenvolvimento espiritual é o mesmo que testemunha: ‘falo mais línguas do que vós todos’. Neste ponto, há uma lição para todos nós” (BRANDT, R. L. Falar em Línguas o Maior Dom?:Pentecostais, falta-nos algo? 1ª Edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2011, p.46).

CONCLUSÃO

O que todo o povo pentecostal precisa saber sobre o tema da lição? Que ser batizado no Espírito Santo é uma experiência distinta da conversão e que capacita o cristão para testemunhar de Jesus e ter uma vida cristã abundante e vitoriosa. Que essa manifestação do Espírito é atual e concedida a quem a buscar com fé, obediência, humildade e persistência; cujo sinal físico, visível inicial do recebimento é o falar em línguas.

PARA REFLETIR

A respeito de “O Batismo no Espírito Santo” responda:

Como chegamos à conclusão de que a descida do Espírito no dia de Pentecostes se refere ao Batismo no Espírito Santo?

Chegamos a essa conclusão também pela explicação do apóstolo Pedro aos demais apóstolos (At 11.15,16).

Como sabemos que a experiência do batismo no Espírito Santo é distinta da experiência da conversão?

Sabemos que a experiência de ser batizado no Espírito Santo é distinta da experiência da conversão porque os discípulos já tinham a vida eterna e o Espírito mesmo antes do dia de Pentecostes (Lc 10.20; Jo 20.22).

Qual a finalidade do batismo no Espírito Santo?

É a capacitação do Espírito para o serviço divino.

O que são as “outras línguas”?

As “outras línguas”, a glossolalia, são ininteligíveis, e evidencia externa, física e inicialmente o batismo no Espírito Santo.

Para que serve o dom de línguas?

O dom de línguas, pelo que se vê nos capítulos 12 a 14 de 1Coríntios, está associado à oração pessoal (1Co 14.13-23). Esse dom, sem dúvida, é muito útil para a oração, as devoções pessoais e o desenvolvimento de nossa sensibilidade ao Espírito (1Co 14.2).

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

O BATISTMO NO ESPÍRITO SANTO

O que é o Batismo no Espírito Santo? Esse é o assunto de nossa lição para esta semana. Vamos refletir a respeito de seu conceito e propósito.

CONCEITO

Deve ficar claro para a classe que o Batismo no Espírito Santo é uma experiência distinta da salvação, o que significa que todo crente batizado no Espírito Santo é salvo, mas nem todo salvo é batizado no Espírito Santo.

Como o próprio nome diz na sua expressão, o termo “batizado” quer dizer “imerso”, “mergulhado” no Espírito Santo. E a terminologia preferida dos pentecostais. Ou seja, é uma analogia ao batismo em águas, que traz a ideia de estar imerso na água, debaixo dela. Nesse sentido, conforme nos mostra a “Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal”, editada pela CPAD, quem é batizado no Espírito Santo está saturado, envolvido no Espírito de Deus.

Há outras expressões na Bíblia que traduzem essa grandiosa experiência, sobretudo no livro de Atos, como nos mostra John W. Wyckoff, um dos autores da obra já mencionada: “Estar cheio do Espírito Santo”, “Receber o Espírito Santo”, “Ser derramado o Espírito Santo”, “O Espírito Santo caindo sobre”, “O Espírito Santo vindo sobre”, e outras variações. Todas essas expressões, para nós, têm o mesmo sentido da experiência registrada em Atos dos Apóstolos.

PROPÓSITO

O propósito do Batismo no Espírito Santo é muito claro: capacitação para o serviço na causa de Cristo. Podemos ver isso claramente em Atos 1.8, como também podemos ver em diversos exemplos do Antigo Testamento, em que o Espírito vinha sobre uma pessoa e a capacitava para fazer uma obra: o Espírito sobre Moisés e os setenta anciões (Nm 11.17,25); o Espírito sobre Gideão, Jefté e Sansão (Jz 6.34; 11.29; 13.25; 14.6,19; 15.14); o Espírito sobre Saul e seu profetismo como evidência (1Sm 10.1-10; cf. 11.6; 19.23); o Espírito sobre os mensageiros de Saul (1Sm 19.20); o Espírito sobre Davi quando este foi ungido rei (1Sm 16.13; 2Sm 23.2).

Todos esses episódios revelavam o modo esporádico que o Espírito Santo atuava sobre uma pessoa na Antiga Aliança. A grande novidade do Novo Testamento é que o livro de Atos revela o cumprimento de uma promessa: o derramamento do Espírito sobre toda a carne (Jl 2.28). Há uma dimensão, não mais nacional ou de gênero, mas universal: todo homem, mulher, jovem e idoso podem executar o santo serviço da Igreja de Cristo, isto é, pregar o Evangelho, e edificar os irmãos, por meio dos diversos dons espirituais.

 

 

Fonte: Estudantes da Bíblia

 

 

COMENTÁRIOS

Chat
Precisa de ajuda?
EBD INTERATIVA
Olá!
Como podemos ajudar?
%d blogueiros gostam disto: