Pedro e João eram analfabetos?

Defendendo a Fé Cristã / 8 de outubro de 2015

“Então eles, vendo a ousadia de Pedro e João, e informados de que eram homens sem letras e indoutos, maravilharam-se e reconheceram que eles haviam estado com Jesus.”

E então, será que Pedro e João eram realmente analfabetos?

Bíblia

A palavra grega traduzida como “sem letras” ou “iletrados” nesse versículo foi “άγράμματοί” e a palavra traduzida como “indoutos” foi “ιδιωτης”, que significa “soldado comum em oposição ou comparação a um oficial militar” ou “alguém em oposição ou comparação ao culto e educado”. Ao usar essas palavras, Lucas, o autor do livro Atos dos Apóstolos, não está afirmando que Pedro e João eram analfabetos, mas que eles eram homens “comuns”, “humildes”, “sem muita instrução”. Eles não eram eruditos ou doutores da Lei, mas homens do povo.

Ben Whiterington III é um acadêmico norte-americano e autor de mais de 30 livros de investigações sobre o Jesus histórico. É também professor no Seminário Teológico de Asbury, nos Estados Unidos e no programa de doutoramento na Universidade de St Andrews, na Escócia. Segundo ele, o melhor significado para o termo άγράμματοί seria algo como “não treinado na lei judaica”. Pedro e João estavam sendo acusados de não terem recebido instrução de rabinos e, portanto, não tinham o direito de citar as Escrituras Hebraicas, como eles estavam citando e interpretando (he Acts of Apostles: A Socio-Rhetorical Commentary (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1988), p. 195-197).

Russell N. Champlin, Ph.D em línguas clássicas e bacharel em literatura bíblica parece concordar com Ben Whiterington III. Ele diz:

“A referência especial […] sem dúvida diz respeito a cultura rabínica, e não a educação elementar dos apóstolos. Pedro não exibia o refinamento de linguagem que um rabino culto geralmente empregava.  […] Não haviam os apóstolos sido criados aos pés dos doutos, em qualquer das escolas e universidades dos judeus”. (Russell N. Champlin, Ph.D – Novo Testamento, Interpretado Versículo por Versículo)

Ao contrário do que muita gente pensa, dificilmente existiria um analfabeto entre os judeus daquela época, pois nas sinagogas existiam também escolas, onde os jovens eram instruídos no ensino da Torá.  Aos 13 anos de idade, os meninos já estavam aptos a fazer o rito de iniciação, chamado Bar Mitzvah. Durante esse rito, o menino lia e interpretava uma passagem das Escrituras diante da comunidade.

“Os judeus do primeiro século eram um povo inteligente, com forte senso de apreciação da cultura. […] Na época do Novo Testamento, muitas famílias possuíam exemplares do Torá, e os pais ensinavam regularmente a seus filhos.[…] A maioria do povo sabia ler não apenas em sua língua nativa, mas também em grego e latim. […] Nos dias de Cristo, a escola já era coisa comum, e o povo não era apenas alfabetizado, mas realizava estudos avançados em filosofia, línguas, matemática e outras disciplinas. […] Para avaliação da aprendizagem, os alunos tinham que recitar longas passagens das Escrituras com perfeição. É por isso que tanto Jesus quanto outros conheciam tão bem as Escrituras. […] Embora as Escrituras fossem a base da educação de um israelita, não era absolutamente a única disciplina. Eles estudavam também literatura, escrita, música, matemática, engenharia, direito.” (Coleman, Manual dos Tempos e Costumes Bíblicos, Ed. Betânia.)


Pedro

Todo leitor assíduo da Bíblia sabe que Pedro era um homem humilde. Mas nem por isso podemos dizer que ele era analfabeto. Pedro se identifica como o autor de dois livros do Novo Testamento (1Pedro e 2Pedro). O primeiro livro foi escrito com a ajuda de um escriba chamado Silvano (1Pedro 5:12), mas o segundo livro parece ter sido escrito de próprio punho, onde Pedro empregou seu próprio grego galileu singelo.


João

A autoria do livro de Apocalipse é sem dúvida de João. Ele mesmo se identifica algumas vezes como autor.

Vejamos o que Jesus disse a ele:

“Eu, João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus, e pelo testemunho de Jesus Cristo. Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi de trás de mim uma grande voz, como de trombeta, que dizia: Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o derradeiro; e o que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmirna, e a Pérgamo, e a Tiatira, e a Sardes, e a Filadélfia, e a Laodicéia.” (Apocalipse 1:9-11)

É claro que Jesus não mandaria João escrever sobre suas visões se o mesmo fosse analfabeto!


Jesus

O mesmo se aplica a Jesus. Vejamos, por exemplo, o que os judeus disseram a respeito dEle:

“Os judeus ficaram admirados e perguntaram: ‘Como foi que este homem adquiriu tanta instrução, sem ter estudado?’” (João 7:15)

Este é um caso semelhante ao dos apóstolos. Jesus falava sobre as Escrituras com uma eloquência e conhecimento incomuns para uma pessoa do povo. Por essa razão, os judeus se admiravam. A expressão “sem ter estudado” significa que Jesus era analfabeto? De forma alguma, pois Jesus sabia ler e escrever:

“E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler.” (Lucas 4:16)

“E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra.” (João 8: 7 – 8)

Jesus não era analfabeto; Ele sabia ler e escrever, mas não tinha muito estudo, apenas. O mesmo se aplica aos apóstolos: Eles não tinham o mesmo nível de instrução de um rabino, por exemplo, mas nem por isso eram analfabetos, pois sabiam ler e escrever. Eles conheciam muito bem a Escritura.

Fonte: Defendendoafecrista

Faça um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

×