Slides editáveis, Aula dinâmica, Subsídios e materiais para fazer sua classe da EBD crescer mais. Tenha todo material necessário para a ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

Subsidio Lição 9: Resistindo à Tentação no Caminho

INTRODUÇÃO: A tentação é uma realidade universal que acompanha a humanidade desde o Jardim do Éden. Para os cristãos, ela assume um significado ainda mais profundo, pois representa um ataque direto à nossa fé e compromisso com Deus. Em Mateus 4:1-11, encontramos o relato das tentações que Jesus enfrentou no deserto, logo após seu batismo. Neste comentário aprofundaremos a análise exegética, versículo por versículo.

TENTAÇÃO (etimologicamente:)
A palavra portuguesa “tentação” deriva do latim “tentatio“, que significa “prova“, “teste” ou “exame“.
No grego koiné, o Novo Testamento utiliza dois termos principais para tentação:
πειρασμός (peirasmos): Enfatiza a ideia de provação ou teste, com o objetivo de revelar o caráter ou a fé de alguém (Mt 4:1, 3, 5, 7; Lc 22:28; 1 Co 10:13; Tg 1:2, 12; 1 Pe 4:12).
πρόσκομμα (proskomma): Refere-se a um obstáculo ou tropeço que pode nos desviar do caminho certo (Rm 9:33; 1 Co 8:9; 1 Pe 2:8).

TENTAÇÃO (teologicamente):
A tentação é uma situação que nos confronta com a possibilidade de transgredir a lei de Deus e ceder aos nossos desejos egocêntricos.
Ela pode se manifestar de diversas formas, como desejos físicos, ambição por poder ou reconhecimento, ou questionamentos sobre a fé.
Apesar de ser um desafio, a tentação também pode ser uma oportunidade para fortalecer nossa fé e nossa dependência de Deus.


COMENTÁRIO EXEGÉTICO – LEITURA BÍBLICA EM CLASSE (Mateus 4:1-11)

Mateus 4:1 – “Então, Jesus foi levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • ἦν (ēn) = foi
  • ἀναχθῆναι (anachthēnai) = levado
  • ἐν τῷ πνεύματι (en tō pneumati) = pelo Espírito
  • εἰς τὴν ἔρημον (eis tēn erēmon) = ao deserto
  • ἵνα πειρασθῇ (hina peirasthē) = para ser tentado
  • ὑπὸ τοῦ διαβόλου (hypò tou diabolou) = pelo diabo

Mateus 4:1 marca o início do ministério público de Jesus. Depois de ser batizado por João Batista e receber a aprovação do Pai (Mateus 3:16-17), Jesus é conduzido pelo Espírito Santo ao deserto para ser tentado pelo diabo.

Pontos chave:

  • A ação do Espírito Santo: A frase “Jesus foi levado pelo Espírito” indica que o batismo de Jesus o ungiu com o poder do Espírito Santo, que o guiou ao deserto para enfrentar as tentações do diabo. O Espírito Santo não apenas capacita Jesus para resistir às tentações, mas também o prepara para sua missão de redenção.
  • O propósito do deserto: O deserto era um lugar simbólico de solidão, provação e tentação. Jesus se retirou ao deserto para se preparar espiritualmente para os desafios que enfrentaria em sua missão. As tentações no deserto serviram como um teste de sua fidelidade a Deus e da força do Espírito Santo que estava sobre ele.
  • A identidade do tentador: A frase “para ser tentado pelo diabo” identifica o tentador como Satanás, o principal adversário de Deus e da humanidade. As tentações que Satanás apresenta a Jesus são uma tentativa de desviá-lo do seu propósito e de levá-lo a pecar contra Deus.
  • A importância das tentações: As tentações de Jesus no deserto são importantes por várias razões. Primeiramente, elas demonstram a natureza do conflito entre o bem e o mal, e a constante luta que a humanidade enfrenta contra as tentações do pecado. Em segundo lugar, elas revelam a impecabilidade de Jesus, que resiste às tentações do diabo com perfeita obediência a Deus. Finalmente, as vitórias de Jesus sobre as tentações servem como modelo para os crentes, que também enfrentam tentações em suas vidas.

Referências bíblicas:

  • Gênesis 3:1-5: A tentação de Adão e Eva no Jardim do Éden, que resultou na queda da humanidade.
  • Deuteronômio 8:1-3: O teste de Israel no deserto, onde Deus os provou para saber se obedeceriam aos seus mandamentos.
  • Lucas 22:28: Jesus prevê que seus discípulos serão tentados como ele foi tentado.

Mateus 4:2 – “E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • νηστεύσας (nēsteúsas) = jejuar
  • ἡμέρας (hēméras) = dias
  • καὶ νύκτας (kai nýktas) = e noites
  • πείνασεν (peinasen) = teve fome

Mateus 4:2 descreve o jejum de Jesus no deserto antes de ser tentado pelo diabo. Este jejum de quarenta dias e quarenta noites é um eco do jejum de Moisés no Monte Sinai (Êxodo 34:28) e do jejum de Elias no deserto (1 Reis 19:8).

Pontos chave:

  • O significado do jejum: O jejum era uma prática comum no judaísmo antigo, geralmente como forma de expressar arrependimento, buscar a Deus ou se preparar para um evento importante. No caso de Jesus, o jejum pode ter servido para se preparar espiritualmente para sua missão e para fortalecer sua dependência de Deus.
  • A duração do jejum: O número quarenta era significativo no Antigo Testamento, muitas vezes simbolizando um período de provação, preparação ou julgamento. O jejum de quarenta dias e quarenta noites de Jesus pode indicar a intensidade da sua preparação espiritual e a magnitude da missão que ele estava prestes a empreender.
  • A fome de Jesus: A frase “teve fome” indica que Jesus, apesar de ser divino, também era humano e sujeito às mesmas necessidades físicas que qualquer outra pessoa. A fome que ele experimenta no final do jejum demonstra a realidade de sua encarnação e sua conexão com a humanidade.
  • A relação com as tentações: O jejum de Jesus pode ter intensificado sua vulnerabilidade às tentações, tornando-o mais suscetível às ofertas do diabo. No entanto, Jesus resiste às tentações com base em sua perfeita obediência à vontade de Deus, demonstrando que a verdadeira força não reside na recusa da comida, mas na fidelidade a Deus.

Referências bíblicas:

  • Êxodo 34:28: “E Moisés ficou ali no monte quarenta dias e quarenta noites, sem comer pão nem beber água. E escreveu nas tábuas as palavras da aliança.”
  • 1 Reis 19:8: “E ele se levantou, comeu e bebeu, e com a força daquela comida caminhou quarenta dias e quarenta noites, até chegar à caverna de Horebe.”

Mateus 4:3 – “E, aproximando-se dele o tentador, disse: Se és o Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • προσελθὼν (proselthōn) = aproximando-se
  • ὁ πειράζων (ho peirazōn) = o tentador
  • εἶπεν (eipen) = disse
  • εἰ υἱὸς εἶ τοῦ θεοῦ (ei huios ei tou theou) = se és o Filho de Deus
  • πρόσταγε (próstage) = manda
  • λίθους τούτους (lithous toutous) = estas pedras
  • ἄρτους γενέσθαι (artous genesthai) = se transformem em pães

Mateus 4:3 apresenta a primeira das três tentações que Jesus enfrenta no deserto, após jejuar por quarenta dias e quarenta noites. O tentador, identificado como Satanás, se aproxima de Jesus e o desafia a transformar pedras em pães, usando seu poder divino para aliviar a fome que ele sente.

Pontos chave:

  • A identidade do tentador: A frase “o tentador” indica que a fonte da tentação é Satanás, o principal adversário de Deus e da humanidade. Satanás busca explorar a fome e a vulnerabilidade de Jesus para desviá-lo do seu propósito e levá-lo a duvidar de sua identidade como Filho de Deus.
  • A natureza da tentação: A tentação de transformar pedras em pães apela à necessidade básica humana de alimento. Satanás tenta Jesus a usar seu poder divino para satisfazer seus próprios desejos, em vez de seguir a vontade de Deus. Essa tentação também pode ser vista como um teste da fé de Jesus em Deus e em sua capacidade de prover para suas necessidades.
  • A resposta de Jesus: Jesus responde à tentação citando Deuteronômio 8:3: “O homem não vive somente de pão, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.” (ARA). Ao invés de ceder à tentação e usar seu poder divino para satisfazer sua fome física, Jesus demonstra sua prioridade em seguir a vontade de Deus e obedecer à sua palavra.
  • O significado da resposta de Jesus: A resposta de Jesus revela sua submissão à vontade de Deus e sua confiança em sua provisão. Ele afirma que a verdadeira satisfação da fome humana não vem apenas do alimento físico, mas da nutrição espiritual que vem da palavra de Deus.

Referências bíblicas:

  • Deuteronômio 8:3: “E ele te humilhou, e te fez ter fome, e te alimentou com o maná, que tu não conhecias, nem teus pais jamais o tinham provado, para te fazer saber que o homem não vive somente de pão, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.”
  • Lucas 4:4: “E Jesus lhe respondeu: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem.”

Mateus 4:4 – “E, respondendo Jesus, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • ἀποκριθεὶς (apokritheis) = respondendo
  • εἶπεν (eipen) = disse
  • γέγραπται (gegraptai) = está escrito
  • οὐκ ἐπὶ ἄρτῳ μόνῳ ζήσεται ἄνθρωπος (ouk epi artō monō zēsetai anthrōpos) = nem só de pão viverá o homem
  • ἀλλ᾽ ἐπὶ παντὶ ῥήματι ἐκπορευομένῳ διὰ τοῦ στόματος τοῦ θεοῦ (all’ epi panti rhēmati ekporeuomenōi dià tou stómatos tou theou) = mas de toda palavra que procede da boca de Deus

Mateus 4:4 mostra a resposta de Jesus à primeira das três tentações que ele enfrenta no deserto. Satanás o tenta a transformar pedras em pães para aliviar sua fome, mas Jesus responde citando Deuteronômio 8:3, afirmando que o homem não vive apenas de pão, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.

Pontos chave:

  • A fonte da citação: A frase “está escrito” indica que Jesus está baseando sua resposta na Torá, especificamente em Deuteronômio 8:3. Essa passagem fala sobre a experiência de Israel no deserto, onde Deus os proveu com maná, um alimento milagroso, para ensiná-los que a verdadeira vida vem da obediência à sua palavra.
  • O significado da resposta: A resposta de Jesus revela que sua prioridade não é a satisfação de suas necessidades físicas, mas a obediência à vontade de Deus. Ele reconhece que Deus é a fonte de toda vida e provisão, e que a verdadeira nutrição espiritual vem da palavra de Deus.
  • A importância da palavra de Deus: A frase “de toda palavra que procede da boca de Deus” enfatiza a importância da palavra de Deus como guia para a vida e fonte de força espiritual. Jesus ensina que a palavra de Deus é tão essencial para a vida quanto o alimento físico.
  • O contraste com a tentação: A resposta de Jesus contrasta com a tentação de Satanás, que apela à necessidade imediata de alimento físico. Jesus demonstra que a verdadeira satisfação vem da fidelidade à palavra de Deus, mesmo em momentos de dificuldade e tentação.

Mateus 4:5 – “Então, o diabo o levou à cidade santa, colocou-o sobre o pináculo do templo e lhe disse: Se és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem; e: Eles te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • καὶ παραλαβὼν αὐτὸν ὁ διάβολος (kai paralabon auton ho diabolos) = Então, o diabo o levou
  • ἤγαγεν αὐτὸν εἰς τὴν ἁγίαν πόλιν (ēgagen auton eis tēn hagian polin) = à cidade santa
  • καὶ ἔστησεν αὐτὸν ἐπὶ τὸ πτερύγιον τοῦ ἱεροῦ (kai estēsen auton epi to pterugion tou hierou) = e o colocou sobre o pináculo do templo
  • καὶ λέγει αὐτῷ (kai legei autōi) = e lhe disse
  • εἰ υἱὸς εἶ τοῦ θεοῦ (ei huios ei tou theou) = se és o Filho de Deus
  • βάλε σεαυτὸν κάτω (bale seauton katō) = lança-te daqui abaixo
  • γέγραπται γάρ (gegraptai gar) = porque está escrito
  • ὅτι τοῖς ἀγγέλοις αὐτοῦ ἐντελεῖται περὶ σοῦ (hoti tois angelois autou enteletāi peri sou) = aos seus anjos ordenará a teu respeito
  • καὶ ἐν χερσὶν ἀρῶσιν σε (kai en cheirsin arōsin se) = e eles te susterão nas suas mãos
  • ἵνα μὴ προσκόψῃς τὸν πόδα σου πρὸς λίθον (hina mē proskopsēs ton poda sou pros lithos) = para não tropeçares nalguma pedra

Mateus 4:5 exibe a segunda das três tentações que Jesus enfrenta no deserto. Satanás o leva à cidade santa, Jerusalém, e o coloca sobre o pináculo do templo, o ponto mais alto do edifício. Ele então o desafia a se lançar dali abaixo, citando um salmo (Salmo 91:11-12) que fala da proteção divina aos justos.

Pontos chave:

  • O local da tentação: O pináculo do templo era um lugar simbólico, representando a autoridade religiosa e a glória terrena. Ao levar Jesus a esse local, Satanás tenta induzi-lo a buscar glória e poder através de um ato espetacular, em vez de seguir o caminho humilde da obediência à vontade de Deus.
  • A natureza da tentação: A tentação de se lançar do pináculo do templo apela ao orgulho de Jesus e à sua busca por reconhecimento. Satanás o instiga a provar sua identidade como Filho de Deus através de um ato milagroso, desconsiderando a importância da humildade e da obediência.
  • A citação do salmo: Satanás cita o Salmo 91:11-12, que fala da proteção divina aos justos. No entanto, ele distorce o significado do salmo, usando-o para apoiar sua tentação. Satanás ignora o contexto do salmo, que enfatiza a proteção de Deus no caminho da obediência, e o usa para promover um ato imprudente e arrogante.
  • A resposta de Jesus: Jesus responde à tentação citando Deuteronômio 6:16: “Não tentarás o Senhor, teu Deus.” (ARA). Ao invés de ceder à tentação e provar sua divindade através de um ato espetacular, Jesus demonstra sua confiança em Deus e sua recusa em usar seus poderes divinos para fins egoístas.

Referências bíblicas:

  • Salmo 91:11-12: “Porque aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem; e: Eles te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra.”
  • Deuteronômio 6:16: “Não tentarás o Senhor, teu Deus, como o tentaste em Massá.”

Mateus 4:6 – “E disse-lhe: Se és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e com as mãos te susterão, para que não tropeces em alguma pedra.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • πειράζων (peirazōn) = tentador
  • εἰ υἱὸς εἶ τοῦ θεοῦ (ei huios ei tou theou) = se és o Filho de Deus
  • βάλε σεαυτὸν κάτω (bale seauton katō) = lança-te daqui abaixo

Mateus 4:6 expõe a culminação da segunda das três tentações que Jesus enfrenta no deserto. Satanás, tendo falhado em suas tentativas anteriores de induzir Jesus a pecar pela fome e pelo orgulho, agora tenta enganá-lo a usar seu poder divino para provar sua divindade.

1. A Identidade do Tentador:
A palavra grega “πειράζων” (peirazōn) identifica claramente o tentador como Satanás. Este termo, geralmente traduzido como “tentar” ou “provar“, carrega a conotação de buscar levar alguém ao erro através da decepção ou do engano. Satanás, como principal adversário de Deus e da humanidade, busca desviar Jesus do seu propósito e levá-lo a duvidar de sua identidade como Filho de Deus.

2. A Natureza da Tentação:
A tentação de se lançar do pináculo do templo é astuta por diversos motivos. Primeiro, ela apela à vaidade de Jesus, sugerindo que ele pode provar sua divindade ao realizar um ato milagroso e espetacular. Segundo, ela distorce a promessa de proteção divina encontrada no Salmo 91:11-12, transformando-a em uma prova de ousadia e desobediência. Terceiro, ela tenta Jesus a usar seus poderes divinos para fins egoístas, em vez de seguir a vontade de Deus.

3. A Resposta de Jesus:
A resposta de Jesus é simples e direta: “Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus.” (Mateus 4:7, ARA). Citando Deuteronômio 6:16, Jesus recusa-se a ceder à tentação e demonstra sua profunda obediência à vontade de Deus. Ele reconhece que Deus é o único digno de ser testado e que a verdadeira fé se manifesta na submissão à sua palavra.

4. A Importância da Obediência:
A resposta de Jesus revela a importância fundamental da obediência à vontade de Deus. Jesus, mesmo sendo o Filho de Deus, não se considera acima da lei divina. Ele demonstra que a verdadeira fé e piedade se manifestam na submissão à palavra de Deus, mesmo em momentos de tentação e provação.

Referência bíblica:

  • Lucas 4:12: “Mas Jesus lhe respondeu: Está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e a ele só servirás.”

Mateus 4:7 – “Respondeu-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • πάλιν (palin) = novamente
  • γέγραπται (gegraptai) = está escrito
  • οὐκ ἐκπειράσεις κύριον τὸν θεόν σου (ouk ekpeirasēs kyrion ton theon sou) = não tentarás o Senhor, teu Deus

Mateus 4:7 passa a resposta de Jesus à segunda das três tentações que ele enfrenta no deserto. Satanás o tenta a se lançar do pináculo do templo, citando um salmo que fala da proteção divina aos justos. Jesus responde citando Deuteronômio 6:16, afirmando que não devemos tentar a Deus.

Pontos chave:

  • A repetição da frase “está escrito”: Jesus usa a frase “está escrito” pela segunda vez nesta seção (Mateus 4:4), enfatizando a importância da Escritura como base para suas decisões e ações. Ele demonstra que sua fé e obediência à vontade de Deus estão fundamentadas na palavra revelada.
  • A citação de Deuteronômio 6:16: Essa passagem do Deuteronômio adverte contra a tentação de colocar Deus à prova. Jesus a utiliza para refutar a sugestão de Satanás de que ele prove sua divindade através de um ato milagroso e imprudente.
  • A natureza da tentação: A tentação de tentar a Deus é sutil, pois pode se manifestar como um desejo de buscar confirmação ou prova de fé. No entanto, Jesus reconhece que essa atitude é perigosa e pode levar à desobediência e à incredulidade.
  • A importância da fé: A resposta de Jesus revela que a verdadeira fé não se baseia em sinais ou provas miraculosas, mas na submissão à palavra de Deus e na obediência à sua vontade. Jesus demonstra que a fé autêntica se manifesta na confiança em Deus, mesmo em momentos de incerteza e tentação.

Referências bíblicas:

  • Deuteronômio 6:16: “Não tentarás o Senhor, teu Deus, como o tentaste em Massá.”
  • Salmo 91:11-12: “Porque aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e com as mãos te susterão, para que não tropeces em alguma pedra.”
  • Lucas 4:12: “Mas Jesus lhe respondeu: Está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e a ele só servirás.”

Mateus 4:8 – “Novamente, o diabo o levou a um monte muito alto e lhe mostrou todos os reinos do mundo e a sua glória.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • πάλιν (palin) = novamente
  • ὄρος ὑψηλὸν λίαν (oros hupsēlon lian) = monte muito alto
  • ἐδείκνυεν αὐτῷ (edeiknuen autōi) = lhe mostrou
  • πάσας τὰς βασιλείας τοῦ κόσμου (pasas tas basileias tou kosmou) = todos os reinos do mundo
  • καὶ τὴν δόξαν αὐτῶν (kai tēn doxan autōn) = e a sua glória

Mateus 4:8 apresenta a terceira e última das tentações que Jesus enfrenta no deserto. O diabo o leva a um monte alto e lhe mostra todos os reinos do mundo e a sua glória, oferecendo-os a ele em troca de adoração.

Pontos chave:

  • A repetição da palavra “novamente”: A palavra “πάλιν” (palin) é usada pela terceira vez nesta seção (Mateus 4:3, 8), enfatizando a persistência de Satanás em tentar Jesus. Ele tenta Jesus de diferentes maneiras, buscando explorar suas fraquezas e desvia-lo do seu propósito.
  • O local da tentação: O “monte muito alto” pode ter significado simbólico, representando poder, autoridade e ambição mundana. Ao levar Jesus a este local, Satanás tenta induzi-lo a buscar glória e poder terreno, em vez de seguir o caminho humilde da obediência à vontade de Deus.
  • A oferta do diabo: Satanás oferece a Jesus “todos os reinos do mundo e a sua glória“, representando as tentações de riqueza, poder e status social. Ele tenta Jesus a abandonar sua missão divina e abraçar os valores do mundo, buscando satisfação pessoal em vez da vontade de Deus.
  • A natureza da tentação: A tentação de Mateus 4:8 é sutil e enganosa. Ela apela ao desejo humano natural de poder, reconhecimento e sucesso. Satanás tenta convencer Jesus de que ele pode alcançar a verdadeira glória e felicidade através dos meios mundanos, desviando-o do caminho da verdadeira redenção e salvação.

Referências bíblicas:

  • Lucas 4:5-6: “E, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe, num momento de tempo, todos os reinos do mundo. E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei todo este poder e a sua glória; porque me foi entregue, e a quem eu quiser o dou.”
  • Tiago 4:4: “A amizade com o mundo é inimizade contra Deus. Portanto, quem quiser ser amigo do mundo faz-se inimigo de Deus.”
  • 1 João 2:15-17: “Não ameis o mundo, nem as coisas que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas sim do mundo. E o mundo passa, e com ele a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.”

Mateus 4:9 – “E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • καὶ εἶπεν αὐτῷ (kai eipen autōi) = e disse-lhe
  • πάντα ταῦτα σοι δώσω (panta tauta soi dōsō) = tudo isto te darei
  • ἐὰν πεσὼν προσκυνήσῃς μοι (ean pesōn proskynēsēis moi) = se, prostrado, me adorares

Mateus 4:9 mostra a oferta final de Satanás a Jesus na terceira e última tentação no deserto. O diabo promete a Jesus todos os reinos do mundo e a sua glória em troca de adoração.

Pontos chave:

  • A natureza da oferta: Satanás torna sua oferta explícita: “tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.” Ele deixa claro que a única condição para Jesus obter os reinos do mundo e a sua glória é adorá-lo. Essa oferta representa a tentação final de se desviar do caminho da verdadeira fé e obediência a Deus, cedendo à idolatria e à busca por poder mundano.
  • A exigência de adoração: A exigência central de Satanás é a adoração. Ele deseja que Jesus se prostre diante dele, reconhecendo-o como seu senhor e mestre. Essa exigência revela a natureza fundamental do conflito entre Deus e Satanás: uma batalha pela adoração e pela lealdade das criaturas.
  • A resposta de Jesus: A resposta de Jesus a essa tentação será crucial para determinar o curso de sua missão e o destino da humanidade. Ele resistirá à tentação de Satanás e permanecerá fiel à vontade de Deus, demonstrando sua obediência e amor ao Pai.

Referências bíblicas:

  • Êxodo 20:5: “Não te prostrarás diante delas nem as servirás; porque eu, o Senhor, teu Deus, sou Deus zeloso que visito a iniquidade dos pais sobre os filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam.”
  • Deuteronômio 6:13: “Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e somente a ele servirás.”
  • Mateus 6:24: “Ninguém pode servir a dois senhores; pois ou há de odiar a um e amar o outro, ou se devotará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao Mamom.”

Mateus 4:10 – “Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele servirás.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • καὶ εἶπεν αὐτῷ (kai eipen autōi) = e disse-lhe
  • ὕπαγε ὀπίσω μου σατανᾶ (hupage opisō mou satana) = retira-te, Satanás
  • γέγραπται γάρ (gegraptai gar) = porque está escrito
  • κύριον τὸν θεόν σου προσκυνήσεις καὶ αὐτῷ μόνῳ λατρεύσεις (kyrion ton theon sou proskunēsēis kai autōi monō latreusēis) = ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele servirás

Mateus 4:10 exibe a resposta definitiva de Jesus à última tentação no deserto. Ele confronta Satanás diretamente, ordenando-lhe que se retire e citando Deuteronômio 6:13 para fundamentar sua recusa em adorá-lo.

Pontos chave:

  • A resposta direta de Jesus: Jesus não hesita em responder à tentação de Satanás. Ele o confronta diretamente, ordenando-lhe que se retire: “ὕπαγε ὀπίσω μου σατανᾶ” (hupage opisō mou satana). Essa resposta demonstra a autoridade e o poder de Jesus sobre Satanás, revelando sua natureza divina como Filho de Deus.
  • A citação de Deuteronômio 6:13: Jesus fundamenta sua recusa em adorar Satanás na lei de Deus, citando Deuteronômio 6:13. Essa passagem do Antigo Testamento deixa claro que a adoração e o serviço são devidos exclusivamente a Deus, e que qualquer outra forma de adoração é considerada idolatria.
  • A vitória de Jesus: A resposta firme de Jesus marca o fim das tentações no deserto e a vitória de Jesus sobre Satanás. Ele demonstra sua obediência perfeita à vontade de Deus e sua fidelidade inabalável, mesmo diante das tentações mais intensas.

Referências bíblicas:

  • Deuteronômio 6:13: “Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele servirás.”
  • Tiago 4:7: “Portanto, sujeitai-vos a Deus; resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.”
  • 1 João 2:15-17: “Não ameis o mundo, nem as coisas que há no mundo. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas sim do mundo. E o mundo passa, e com ele a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.”

Mateus 4:11 – “Então o diabo o deixou, e eis que anjos vieram e o serviram.” (ARA)

Palavras-chave em grego:

  • καὶ ἀπέλειπεν αὐτὸν ὁ πειράζων (kai apeleipon auton ho peirazōn) = e o tentador o deixou
  • καὶ ἰδού ἄγγελοι ἦλθον καὶ διηκόνουν αὐτῷ (kai idou angeloi ēlthon kai diēkonoun autōi) = e eis que anjos vieram e o serviram

Mateus 4:11 finaliza com o desfecho das tentações de Jesus no deserto. Após resistir com firmeza às tentações de Satanás, Jesus é recompensado com a ministração de anjos.

Pontos chave:

  • A partida de Satanás: O verso inicia com a afirmação de que “o tentador o deixou” (kai apeleipon auton ho peirazōn). Essa frase indica a derrota de Satanás e o fim das tentações que ele infligiu a Jesus. A partida de Satanás marca a vitória de Jesus sobre o pecado e a tentação, demonstrando sua fidelidade inabalável à vontade de Deus.
  • A chegada dos anjos: Em contraste com a presença de Satanás, o verso relata a chegada de anjos: “e eis que anjos vieram e o serviram” (kai idou angeloi ēlthon kai diēkonoun autōi). A presença dos anjos representa o cuidado e a proteção de Deus para com Jesus. Os anjos servem a Jesus, demonstrando a sua posição exaltada como Filho de Deus e a recompensa por sua obediência e fidelidade.
  • O significado do serviço angelical: O verbo grego “διηκόνουν” (diēkonoun) significa “servir“. A ação de servir realizada pelos anjos pode ter diversas interpretações. Alguns estudiosos sugerem que os anjos proveram alimento e descanso para Jesus após as tentações. Outros sugerem que os anjos ofereceram adoração e louvor a Jesus, reconhecendo sua vitória sobre Satanás.
  • A importância da recompensa: A cena da ministração angelical serve como um lembrete de que a obediência e a fidelidade à vontade de Deus são recompensadas. Jesus, por ter resistido às tentações de Satanás, recebe o cuidado, a proteção e a adoração dos anjos. Essa cena também prefigura a glória e a honra que Jesus receberá após sua ressurreição e ascensão ao céu.

Referências bíblicas:

  • Salmo 91:11-12: “Porque aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e com as mãos te susterão, para que não tropeces em alguma pedra.
  • Hebreus 1:6: “E, novamente, quando introduz o Primogênito no mundo, diz: Adorem-no todos os anjos de Deus.
  • Apocalipse 5:11-14: “E olhei, e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, e dos seres viventes, e dos anciãos; e o número deles era de milhões de milhões, que diziam com grande voz: Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e a riqueza, e a sabedoria, e a força, e a honra, e a glória, e a bênção. E todas as criaturas que há no céu, e na terra, e debaixo da terra, e no mar, e todas as coisas que neles há, ouvi dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, seja honra, e glória, e ação de graças, e poder pelos séculos dos séculos. E os quatro seres viventes diziam: Amém. E os anciãos se prostraram e adoraram.

CONCLUSÃO. O relato das tentações de Jesus no deserto, apresentado em Mateus 4:1-11, é um momento crucial na narrativa do Evangelho. Através das três tentações, Satanás tenta desviar Jesus do seu propósito divino, oferecendo-lhe poder, glória e posses mundanas. No entanto, Jesus resiste com firmeza a cada tentação, demonstrando sua obediência perfeita à vontade de Deus e sua fidelidade inabalável.

Verdades Fundamentais:

  • Tentação: As tentações representam os desafios e obstáculos que todos nós enfrentamos em nossa vida de fé. Satanás busca explorar nossas fraquezas e nos desviar do caminho de Deus.
  • Obediência: A obediência de Jesus à vontade de Deus é o tema central deste relato. Ele demonstra que a verdadeira fé se manifesta na submissão à palavra de Deus, mesmo em momentos de dificuldade e tentação.
  • Fidelidade: A fidelidade de Jesus ao Pai é inabalável. Ele resiste às tentações de Satanás e permanece fiel ao seu propósito de redenção e salvação da humanidade.
  • Natureza divina: As tentações revelam a natureza divina de Jesus. Ele possui poder sobre o pecado e a tentação, demonstrando sua autoridade como Filho de Deus.
  • Recompensa: A ministração angelical ao final das tentações serve como recompensa pela obediência e fidelidade de Jesus. Ele é reconhecido e honrado como o Filho de Deus.

Significado do relato para os cristãos: O relato das tentações de Jesus no deserto oferece diversas lições valiosas para os cristãos:

  • Enfrentando as tentações: Todos nós enfrentamos tentações em nossa vida de fé. É importante reconhecer as tentações e combatê-las com base na palavra de Deus e na oração.
  • Obediência à vontade de Deus: A verdadeira fé se manifesta na obediência à vontade de Deus. Devemos buscar sempre seguir os ensinamentos de Jesus e viver de acordo com seus princípios.
  • Fidelidade a Deus: A fidelidade a Deus é essencial para uma vida cristã autêntica. Devemos permanecer firmes em nossa fé, mesmo em momentos de dificuldade e provação.
  • Confiança na natureza divina de Jesus: Podemos ter plena confiança em Jesus, pois ele é o Filho de Deus que venceu o pecado e a morte.
  • Gratidão pela recompensa de Deus: Deus recompensa a obediência e a fidelidade dos seus filhos. Devemos ser gratos por sua proteção, cuidado e amor.

Portanto, o texto de Mateus 4:1-11 é um lembrete de que, através da fé, da obediência e da fidelidade a Deus, podemos vencer as tentações e viver uma vida vitoriosa em Cristo Jesus.

Saiba mais em Gospel Trends
Autor: Costa, Silvio

 

Faça um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Consulte mais informação

CLIQUE AQUI
Olá! Como posso te ajudar hoje?
NOVIDADES DO DIA !!!
Olá! Seja bem-vindo (a)....

✏️🔍Acesse no Portal EBD Interativa: https://ebdinterativa.com.br/shopping

✅ Livros / Cursos / Slides / Certificados

Confira as ofertas de hoje...