fbpx

Neurologista diz que transexuais não deveriam fazer cirurgia de mudança de sexo

Profissional garante que não existe “sexo errado” no cérebro.

Stephen V Gliske. (Foto: Umich)

Segundo o neurologista Sr. Stephen Gliske, da Universidade de Michigan (EUA), a disforia de gênero não é causada pelo “sexo errado” no cérebro, mas sim pode ser desencadeada por estresse infantil e potencialmente curada com medicamentos.

Para quem não sabe, disforia é quando alguém sente que sua identidade de gênero e seu sexo biológico não coincidem e isso pode levá-lo a optar por ser transexual.

Na visão do médico, a condição clinicamente reconhecida é causada por mudanças na atividade cerebral que ocorrem durante a vida de alguém.

O DailyMail afirma que não demorou muito para que críticos reagissem ao médico, dizendo que ele levanta uma teoria problemática, porque aponta que a disforia é algo que pode ser consertado como se fosse uma “doença”.

Hoje a disforia é tratada por meio de psicoterapia, outros casos com hormônios bloqueadores da puberdade e também com cirurgia de redesignação.

Mas para Gliske, o atual entendimento da disforia de gênero é “impreciso” demais para justificar a cirurgia de mudança de sexo de alguém.

Seu entendimento sobre o assunto foi publicado na revista médica eNeuro, onde ele revisa vários artigos publicados anteriormente sobre a disforia

“Acho que as redes cerebrais que dão aos indivíduos a propriedade de partes do corpo, que influenciam o comportamento típico de gênero e que estão envolvidas em sofrimento crônico são diferentes em indivíduos com e sem disforia de gênero, levando a uma nova teoria – que a disforia de gênero é sensorial condição de percepção, uma alteração no sentido de gênero influenciada pelas respostas comportamentais reflexivas associadas a cada uma dessas redes”, diz o médico no resumo de seu artigo que pode ser lido na íntegra no site eNeuro.org.

Fonte: Gospel Prime

- EBD INTERATIVA -

COMENTÁRIOS

×

Olá!

Clique em um de nossos representantes abaixo para conversar no WhatsApp ou envie um email para [email protected]

×